Mantega afirma que novo acordo com FMI seria preventivo

O ministro do Planejamento, Guido Mantega, disse hoje que, caso o governo renove o acordo com o Fundo Monetário Internacional (FMI), esse acordo será preventivo. "O Brasil, já se encontra em uma situação de estabilidade e equilíbrio das suas contas externas. O atual acordo foi firmado, vale lembrar, em condições bastante precárias no ano passado, quando corríamos o risco de ter uma moratória, naquela situação, foi um acordo de emergência", justificou.Segundo ele, "o Brasil já está numa situação completamente diferente e não há nenhum perigo ameaçando o País e as contas externas estão indo muito bem, com saldo comercial crescente e o déficit de transações correntes é o menor de todos os tempos", complementou. Mantega, que participou hoje do encontro na Associação Brasileira de Infra-estrutura e Indústrias de Base (ABDIB), esclareceu ainda que, no estudo da renovação do acordo, o governo está analisando "se deve ou não ampliar as reservas do País e, em conseqüência, pagar ou não o preço que isso significa". Detalhes TécnicosO texto que definirá a Parceria Público e Privada (PPP) está "na reta final" e deverá ser concluído pelo governo até o fim dessa semana. "Faltam alguns pequenos detalhes técnicos e até o final desta semana o projeto deverá estar concluído. A partir daí, daremos início às discussões com as várias entidades empresariais para o aperfeiçoamento." Mantega explicou que, após o debate com o setor produtivo, o texto será encaminhado ao Congresso Nacional.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.