carteira

As ações mais recomendadas para dezembro, segundo 10 corretoras

Mantega anuncia linha de crédito para países da AL

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, anunciou hoje, em Buenos Aires, a criação de uma linha de crédito em forma de "swap" (troca) de moeda com países da América Latina de até R$ 10 bilhões, dos quais R$ 3,5 bilhões serão com a Argentina. O anúncio foi feito em conjunto com o ministro de Economia da Argentina, Carlos Fernández, após reunião para concluir o documento-base de criação do Banco do Sul.

MARINA GUIMARÃES, Agencia Estado

08 de maio de 2009 | 18h01

"Na reunião que eu tive com os ministros, eu disse que o Brasil está disposto a fazer linhas de crédito para os países da América do Sul", disse Mantega, afirmando que "cada um terá um valor diferente, proporcional às relações comerciais e financeiras que nós temos com cada país". Segundo ele, "estamos começando com a Argentina, com quem estamos mais adiantados". Além da Argentina, participaram da reunião os ministros de Fazenda do Paraguai, Uruguai, Venezuela, Equador e Bolívia.

Nesta linha com a Argentina, o lado brasileiro disponibilizará uma linha de crédito de R$ 3,5 bilhões e os argentinos, outra linha equivalente a esse montante em pesos. "É um mecanismo similar ao swap que fizemos com a Fed (banco central dos Estados Unidos)", esclareceu o ministro. Ele disse ainda que o governo argentino, por meio do Banco Central do país, "pode usar o dinheiro, por qualquer razão, e o Brasil também". Mas o ministro esclareceu que essa linha de crédito possui juros e regras que são definidas pelos bancos centrais dos países envolvidos no acordo.

Mantega disse que o novo instrumento será colocado em prática "proximamente" e lembrou que "a negociação com o Fed para o swap de US$ 30 bilhões durou três semanas", indicando que esse poderia ser o tempo para assinar o acordo com a Argentina. O ministro argentino, por sua vez, afirmou que o swap "é um mecanismo de precaução para reforçar as reservas".

Tudo o que sabemos sobre:
Mantegaswap

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.