Mantega apoia união do Pão de Açúcar e Casas Bahia

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, demonstrou aprovação com a compra das Casas Bahia pelo Grupo Pão de Açúcar, anunciada na última sexta-feira (4). "Eu achei muito bom, porque hoje o mercado é feito de grandes empresas, e nós precisamos de grandes competidores para competir com os grupos estrangeiros", afirmou Mantega, ontem à noite, em São Paulo, durante a entrega do prêmio "Brasileiro do Ano", da revista "IstoÉ", na qual foi premiado na área da Economia.

ANNE WARTH, Agencia Estado

08 de dezembro de 2009 | 03h27

O ministro negou que negócio signifique uma concentração do mercado e ponderou que, até certo ponto, uma concentração pode ser sadia. "Naturalmente, os órgãos de fiscalização e vigilância vão avaliar isso com todo critério e, se houver algum problema, eles farão mudanças para beneficiar o consumidor."

De acordo com o ministro, embora a nova empresa formada pelo grupo Pão de Açúcar e pelas Casas Bahia concentre um quarto do faturamento do varejo, outros 75% estão nas mãos de outros grupos, inclusive de grande porte. "O setor automobilístico, por exemplo, é um setor de grandes empresas e é um dos mais competitivos que temos. As montadoras competem entre si e praticam preços baixos", avaliou.

Tudo o que sabemos sobre:
MantegaPão de AçúcarCasas Bahia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.