Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Mantega: certamente, novas medidas serão tomadas

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, afirmou esta tarde que as medidas anunciadas hoje não encerram as discussões dentro do governo para permitir que a economia brasileira continue crescendo. Ele lembrou que o governo a cada semana tem anunciado novas medidas para resolver os problemas que vão surgindo. "Certamente, novas medidas serão tomadas para resolver outros problemas", disse.Segundo ele, as medidas têm o objetivo de impedir uma desaceleração muito forte da economia. O ministro afirmou que a estimativa de um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 4% em 2009 não é mera projeção, mas uma meta que o governo pretende seguir. De acordo com Mantega, o Brasil tem todas as condições de ter uma desaceleração da economia menor que em outros países. "Se nós fizermos um esforço concentrado e as empresas tiverem coragem de manter seus investimentos e não fizerem demissões, vamos ter um crescimento de 4%", avaliou. O ministro disse que o brasileiro continua confiante de que a economia no ano que vem continuará tão boa quanto neste ano. "Não foi perdida a confiança no Brasil", declarou. Ele afirmou que o crédito deve continuar aumentando, o que permitirá uma queda da taxa de juros. Mantega disse que é preciso reduzir as taxas de juros cobradas pelos bancos e que o governo tomará todas as medidas necessárias para que isso aconteça. A redução da alíquota do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) e a injeção de mais crédito no País já são uma maneira de forçar a baixa das taxas de juros, disse o ministro. Perguntado se as medidas eram para voltadas para os empresários que estiveram reunidos hoje no Palácio do Planalto, ele respondeu que as medidas foram "para toda a população".

RENATA VERÍSSIMO, Agencia Estado

11 de dezembro de 2008 | 18h25

Tudo o que sabemos sobre:
crisepacoteMantega

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.