Mantega: controle de capital não é solução para o Brasil

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, disse hoje que não acredita que o estabelecimento de controle para entrada de capital estrangeiro no País seja a solução para o Brasil, no que se refere ao abrandamento da valorização da moeda brasileira ante o dólar. O comentário foi feito em relação à ponderação do economista-chefe do Banco Mundial para América Latina e Caribe, Augusto de la Torre, que citou, nesta semana, o controle de capitais como uma opção para amenizar a valorização das moedas na região. Para o ministro, a questão não está centrada na valorização das moedas destes países. "O dólar é que está se desvalorizando de forma acentuada (ante as principais moedas) pelos problemas (nos EUA)", afirmou. O problema maior, na avaliação de Mantega, "é que quem está se desvalorizando é o dólar, e não outras moedas que estejam se valorizando." "De fato, tem havido uma valorização do real, da moeda australiana etc, porém, não acredito que a solução para mitigar esta valorização seja o estabelecimento de controle para o uso de capitais", disse, em entrevista coletiva, na sede do Fundo Monetário Internacional (FMI), em Washington. "Podemos é eliminar excesso de fluxos de capitais como fizemos com a medida que tomamos no Brasil, criando uma taxa (IOF) para um tipo de modalidade de aplicação financeira de curto prazo". O ministro acrescentou que a valorização da moeda nacional não deveria culminar em controle de capitais nem "a volta de modalidades do passado, como protecionismo ou coisa parecida". "Havendo câmbio flutuante, em alguns momentos tem-se movimentos de valorização e em outros momentos, desvalorização", acrescentou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.