Mantega: corte de juro nos EUA não deve parar crise

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, afirmou nesta tarde que o corte de 0,75 ponto porcentual na taxa básica de juros norte-americana vai trazer alívio aos mercados, mas não deve interromper a crise. Segundo ele, as turbulências devem continuar pelos próximos meses porque ainda não foram totalmente absorvidas as perdas geradas pelos problemas no setor de crédito de alto risco (subprime). "É uma bolha que ainda está se dissipando e que vai trazer alguma desaceleração em algumas atividades econômicas", afirmou na entrevista sobre o balanço do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). Segundo o ministro, o corte nos juros e outras medidas de natureza anticíclica que as autoridades americanas estão tomando vão atenuar uma eventual recessão nos EUA, embora tenha destacado que, por enquanto, o que ocorre lá é uma desaceleração econômica. Mantega ressaltou que a crise ainda não chegou no Brasil, mas reconheceu que ela ainda pode chegar. Na visão dele, se isso ocorrer, será no futuro, por meio de uma alteração no comércio externo e no preço das commodities, que têm peso importante na pauta de exportação brasileira. Apesar disso, Mantega reafirmou suas projeções de crescimento da ordem de 5% este ano. "Se houver alguma coisa internacional mais forte, poderá haver uma pequena desaceleração, mas aposto no crescimento robusto da economia brasileira", disse ele, ao destacar a solidez dos fundamentos econômicos do País.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.