Mantega: crescer 1% não é tarefa fácil, mas é possível

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, afirmou hoje que ainda será necessário muito esforço do governo para garantir um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) em 2009. Segundo ele, para atingir a previsão do governo de crescimento de 1% neste ano, é preciso dar continuidade às políticas fiscal e monetária. De acordo com Mantega, esse esforço é feito por meio de medidas anticíclicas e anticrise que o governo está tomando para estimular o mercado interno e os investimentos. "Para se ter 1% de crescimento neste ano, não será tarefa fácil, mas é um desafio possível de ser alcançado", afirmou.

FABIO GRANER E RENATA VERÍSSIMO, Agencia Estado

09 de junho de 2009 | 12h49

Mantega disse que já há sinais nítidos de que a economia está se recuperando. Ele citou, por exemplo, o aumento das vendas de veículos em maio e lembrou que o setor automotivo é uma cadeia longa. Ele disse também que a construção civil, que computou queda da atividade no primeiro trimestre, já dá sinais fortes de recuperação, além do setor de gás e energia, que está crescendo acima do esperado.

O ministro afirmou, no entanto, que é preciso que haja uma reconstrução de parte do crédito que faltou no primeiro trimestre. De acordo com Mantega, os bancos públicos estão liderando a expansão de crédito com taxas menores, mas ainda não é o ideal. "Está longe de ser o necessário para a economia", destacou.

Mantega disse que a expansão do PIB virá de forma gradual. Segundo ele, no segundo trimestre deve ser sentida uma melhora, deixando para trás os resultados negativos. Mas Mantega previu que o PIB do segundo trimestre, embora positivo, será modesto. O ministro disse que o terceiro trimestre será um pouco melhor, mas só no quarto trimestre, o PIB será satisfatório. "Devemos fechar o ano com a economia já em aquecimento", afirmou.

Investimentos

Mantega afirmou que é natural que haja recuo dos investimentos quando a atividade econômica está em queda. Isto porque, segundo ele, as empresas não vão investir se não têm demanda e se há capacidade de produção sobrando. Mantega lembrou que houve uma queima de estoques das empresas e que isso significa uma retomada gradativa da atividade econômica, o que deve levar à recuperação dos investimentos.

Mantega voltou a dizer que o dado do PIB do primeiro trimestre é "velho" e que o mais importante é que a economia está demonstrando capacidade de recuperação e já exibe sinais de retomada na atividade. "A recuperação é lenta, vai aparecendo aos poucos. Não vamos ter um crescimento esfuziante nos próximos trimestres. Vamos gradativamente recuperar o crescimento que tínhamos antes", afirmou.

O ministro foi questionado sobre os problemas no setor de siderurgia e respondeu que o segmento está sofrendo com a queda na atividade econômica mundial, o que reduz as exportações. Mas ele destacou que o governo tem atuado em setores no mercado interno que elevam a demanda por aço, com a adoção das medidas de estímulo ao setor automotivo, linha branca e construção civil.

Diesel

O ministro da Fazenda afirmou que a redução do preço do diesel na refinaria, anunciada ontem pela Petrobras, é um fator que ajuda a economia porque diminui custos para determinados setores, como agricultura e transporte urbano. Além disso, ajuda a elevar o poder aquisitivo das pessoas, estimulando a demanda.

Questionado sobre o envio, ao Congresso, das medidas para a tributação do rendimento da caderneta de poupança, o ministro afirmou que o governo vai encaminhar o projeto quando considerar o momento oportuno em face da pauta de votações do Legislativo. "Não é necessário fazer isso antes porque a medida só valerá para o ano que vem. Temos que olhar o ritmo do Congresso", disse Mantega, que não teceu comentários sobre a redução na tributação nos fundos de investimentos e que destacou que ainda existe espaço para a taxa Selic cair sem prejudicar a caderneta.

Tudo o que sabemos sobre:
PIBMantega

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.