Mantega critica alarmismo, repete que inflação está sob controle

O ministro da Fazenda, Guido Mantega,criticou nesta quarta-feira avaliações que considera"alarmistas" sobre o processo inflacionário no país. Segundoele, a alta dos preços ocorre em ritmo moderado e o consumidornão precisa estocar produtos. "Não há nenhuma razão para desespero ou pânico, como euvejo em algumas opiniões. Nós temos as armas para enfrentaresse fenômeno da inflação... e não está faltando comida e nempetróleo", disse em audiência a uma comissão da Câmara dosDeputados. "Está havendo certo exagero na análise da inflaçãobrasileira, um certo alarmismo que é absolutamente fora depropósito. O alarmismo é ruim, acaba contagiando." Mantega destacou que notícias pessimistas sobre a elevaçãodos preços podem levar consumidores a adotar medidas comoestocar produtos. "É totalmente desnecessário fazer estoques",frisou. Ele argumentou que preços que subiram recentemente, como ode alimentos, tendem a cair em futuro próximo. O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA)acumula alta de 5,58 por cento em 12 meses até maio, acima dameta central de 4,5 por cento. Para Mantega, o crédito e as vendas do varejo já dão sinaisde desaceleração no país, cumprindo objetivo perseguido pelogoverno. Mas frisou que a idéia não é "abortar o crescimento". "É apenas uma pequena correção de rota, uma ligeiradesaceleração no crescimento", disse, acrescentando que aeconomia crescerá em uma faixa de 4,5 a 5,0 por cento. O Brasil está em situação privilegiada por ser produtor dascommodities que mais subiram nos últimos meses, como petróleo,alimentos e minério, acrescentou Mantega. Entre as medidas adotadas recentemente para conter ainflação, o ministro citou a elevação do superávit primário,aumento do juro, incentivo a investimentos e medidas deestímulo à produção agrícola. "O combate à inflação énecessário, está sendo feito e nós podemos manter ocrescimento." FUNDO SOBERANO Mantega também anunciou que o projeto de lei do governopropondo a criação do fundo soberano do país será encaminhadoao Congresso na quinta-feira. O fundo receberá o equivalente a 0,5 por cento do ProdutoInterno Bruto em receitas em 2008 e será utilizado comoinstrumento de política anti-cíclica --assim, os recursosdeverão ser utilizados para investimentos em anos de menorcrescimento. (Reportagem de Isabel Versiani)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.