Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Mantega defende fundo para regular dólares do pré-sal

Fluxo maior da moeda norte-americana pode contaminar a economia brasileira, afirma o Ministro

ADRIANA FERNANDES E LEONARDO GOY, Agencia Estado

21 de outubro de 2009 | 12h42

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, afirmou nesta quarta-feira, 21, que o País terá de ter um fundo para impedir que o fluxo maior de dólares, que virá com a exploração de petróleo na camada do pré-sal, contamine a economia. Segundo ele, o fundo que receberá parte ou a totalidade dos recursos do pré-sal vai regular o fluxo de dólares para o Brasil, podendo aplicar os recursos no exterior. De acordo com o ministro, não há mistério nesse tipo de política e outros países produtores de petróleo fizeram o mesmo. Ele citou a Venezuela e a Arábia Saudita, no caso do petróleo, e o Chile para a produção do cobre. Mantega não explicitou se será criado um novo fundo ou se o Fundo Social terá essa função de regular o fluxo de dólares.

 

Veja também:

linkCom pré-sal, reservas podem chegar a US$ 500 bi, diz Mantega

linkPara Mantega, Petrobrás tem poderio para o desafio do pré-sal

Ele participa de audiência pública na Comissão Especial que analisa o projeto de lei que autoriza a capitalização da Petrobras para exploração do pré-sal. Durante a audiência, Mantega disse que essa necessidade de regular o fluxo de dólares é importante para não permitir a chamada doença holandesa, que é uma situação que acontece quando o país recebe grandes recursos externos e passa e importar muitos bens do exterior, deprimindo a produção interna. "Não permitiremos a doença holandesa no Brasil", disse.

 

Capitalização da Petrobrás

O ministro defendeu a política de acúmulo de reservas ao afirmar que, se o governo não tivesse absorvido dólares do mercado para as reservas, o real estaria mais forte do que o dólar, e cada dólar poderia estar valendo R$ 0,90. Mantega destacou que a capitalização da Petrobrás é uma operação segura, sem risco de perdas para a União ou para a estatal petrolífera. "É segura para ambas as partes", disse Mantega, durante audiência pública na Comissão Especial da Câmara que trata do projeto de lei que autoriza a capitalização da empresa.

Segundo ele, nessa transação, não há imponderabilidade e serão feitas compensações futuras para evitar que a União ou a Petrobras tenham perdas. Ele citou como exemplo se as reservas forem superiores ao valor estimado de 5 bilhões de barris. Nesse caso, a Petrobrás terá de fazer a compensação. Por outro lado, se forem inferiores, caberá à União compensar a Petrobras. "Não tem incerteza. Ambos ganham. É um jogo de ganha, ganha", disse.

O ministro informou que o governo terá de enviar um projeto de lei ao Congresso autorizando a transferência da alienação das reservas e, em seguida, a Petrobrás terá de divulgar uma nota ao mercado informando que está adquirindo esses direitos. Ele disse que todo o processo da capitalização deve durar 90 dias, acrescentando que os minoritários serão consultados.

Ele destacou que a capitalização é o primeiro passo para o País começar "a colocar a mão" na riqueza que está no subsolo do pré-sal em benefício da população. Na prática, segundo ele, essas reservas engrossam as reservas internacionais brasileiras porque elas podem ser transformadas em riquezas. "O Brasil será um país totalmente seguro", disse.

De acordo com o ministro, os acionistas minoritários da Petrobrás "provavelmente não exercerão" plenamente o direito de acompanhar a capitalização da empresa. "Eles têm direito de exercer até 60% da operação desse aumento de capital. Terão 30 dias de prazo para decidir isso, mas provavelmente não exercerão (completamente) porque é muito dinheiro", disse o ministro, acrescentando que a operação de capitalização da Petrobras deverá ser a maior desse gênero no mundo.

Segundo ele, como provavelmente não haverá exercício de 100% dos direitos dos minoritários, a União deverá aumentar a participação que tem hoje na estatal. Somando-se as ações nas mãos diretamente da União e as que estão com o BNDESPar, o governo federal tem quase 40% do capital total (ações ordinárias mais preferenciais) da Petrobrás. Mantega fez as declarações durante audiência pública da Comissão Especial da Câmara que analisa o projeto de lei que autoriza a capitalização da estatal.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.