finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Mantega defende que países reduzam juros 'de forma coordenada'

Para ministro, G20 deve adotar políticas anticíclicas 'para evitar uma depressão'.

Fabrícia Peixoto, BBC

14 de novembro de 2008 | 22h45

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, voltou a defender nesta sexta-feira, em Washington, que os países do G20 adotem políticas anticíclicas e coordenadas "para evitar uma depressão".Entre essas políticas estão a redução dos juros e a ampliação dos gastos do governo. De acordo com a teoria econômica, a política anticíclica prevê que os países economizem em tempos de bonança e aumentem os gastos em épocas de crise, para estimular a economia.Mantega disse que alguns países, como Estados Unidos e Grã-Bretanha, reduziram suas taxas de juros e que o custo finaceiro também precisa ser reduzido no Brasil."O Brasil fará isso a sua maneira, mas nós também faremos um movimento nesse sentido", disse o ministro.No entanto, as projeções do Banco Central sobre a inflação no Brasil - tanto para esse ano como para 2009 - permanecem acima da meta fixada pelo governo.Na semana passada, o presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, disse que "a situação no Brasil é diferente". "Os remédios diferem conforme o paciente", disse Meirelles, referindo-se às políticas fiscal e monetária que devem ser adotadas em cada país.ConversasPela manhã, Mantega acompanhou o presidente Luiz Inácio Lula da Silva em reuniões com chefes de Estado da Austrália, do Japão e da Grã-Bretanha.Ao fazer um balanço dos três encontros, Mantega disse que houve consenso entre os chefes de Estado de que é preciso adotar medidas anticíclicas. Segundo ele, o primeiro-ministro britânico, Gordon Brown, concordou com a necessidade de uma ação conjunta para redução das taxas de juros. O ministro da Fazenda disse ainda que a política monetária também deve ser coordenada, assunto que, segundo Mantega, também foi ressaltado por Brown."Redução de juros, como ele fez, todos devem fazer, porque o problema da inflação está relativamente superado com a queda do preço das commodities", afirmou. "Vai se abrir espaço para uma política monetaria mais flexível em todos os países."Além disso, o ministro da Fazenda disse que, na conversa do presidente Lula com os chefes de Estado, "ficou clara a necessidade de que as medidas sejam coordenadas"."Se um país agir sozinho, não terá sucesso e pode vazar recursos para outros países", disse Mantega.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.