coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

Mantega defende 'reaproximação' entre EUA e Brasil

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, afirmou nesta segunda-feira, 17, após reunião com o secretário do Tesouro americano, Jacob Lew, que Brasil e Estados Unidos "sempre tiveram excelentes relações econômicas". Mantega citou que os EUA devem ser, neste momento, o segundo maior parceiro econômico do Brasil e destacou que é importante continuar "estreitando laços entre os dois países".

RICARDO LEOPOLDO E BEATRIZ BULLA, Agencia Estado

17 de março de 2014 | 21h20

"Temos empresas americanas que estão aqui há mais de cem anos, e empresas brasileiras estão indo aos Estados Unidos", disse Mantega. "Temos de promover uma reaproximação dos Estados Unidos com o Brasil, e isso é possível porque temos interesses comuns, temos de encontrar os caminhos para concretizar essa parceria."

O ministro ressaltou que os dois países continuarão atuando juntos, como têm feito "desde que o G-20 foi criado". Ele destacou que os Estados Unidos sempre deram apoio a instituições como o G-20. "Importante que continuemos trabalhando juntos para poder sair dessa crise e termos crescimento da economia mundial", disse Mantega.

Potencial

Já o secretário do Tesouro dos EUA afirmou que Brasil e Estados Unidos "reconhecem o grande benefício do potencial de trabalhar junto para atender aos desafios de geração de empregos, sustentando o crescimento" e apoiando a estabilidade macroeconômica.

"A expansão do comércio exterior e investimentos entre nossos dois países, por meio de uma ampla gama de produtos, serviços e tecnologias, reflete nossos compromissos na expansão do nosso relacionamento numa fundação sólida que alavanca nossos pontos fortes", disse.

Tudo o que sabemos sobre:
BrasilEUAMantega

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.