Mantega descarta disputa entre Tesouro e BC por dólar

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, negou que a criação do fundo soberano brasileiro dê início a uma disputa entre o Tesouro Nacional e o Banco Central no mercado de câmbio, gerando interferências na cotação do dólar. ?Vai depender da oferta da moeda internacional disponível no mercado. Se tiver uma sobra de dólares, por exemplo, poderá ser absorvida pelo BC aumentando as reservas ou podendo ser absorvida pelo fundo. A diferença é que se forem para as reservas do BC (os dólares) ficarão parados e administrados de forma conservadora. Como devem ser. Ou então se forem para esse fundo poderão ter uma aplicação que poderá será mais rentável. Aí não é dinheiro primário. Aí é o mesmo dinheiro que é utilizado para fazer reservas?, explicou Mantega.O ministro acrescentou ainda que quando se ?faz reservas? é preciso de reais para comprar os dólares. ?Para enxugar esse excesso (de reais que são entregues ao mercado como pagamento pelos dólares), usamos o título público." "O Tesouro já compra dólares para antecipar o pagamento de dívidas futuras e ele apenas fará isso para aplicar no fundo se achar que for produtivo para o País?, disse. Segundo ele, a tendência é o lado esquerdo do fundo, o fundo fiscal, operar mais do que o lado de compra de ativos no mercado local?.Para Mantega, ao reter fora do País uma parte do fluxo financeiro, o fundo soberano ajuda a minimizar a valorização do dólar. ?Diminui também a demanda do setor público?.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.