Mantega descarta manipular câmbio para conter preços

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, afirma que o governo não vai manipular o câmbio para combater a inflação e que a estratégia é garantir competitividade da indústria nacional. Em entrevista à Agência Estado, na última quinta-feira, ele defendeu as medidas que dão superpoderes ao Conselho Monetário Nacional (CMN) para conter a especulação financeira e a valorização do real.

ADRIANA FERNANDES, BEATRIZ ABREU, FABIO GRANER E RENATA VERÍSSIMO, Agencia Estado

31 de julho de 2011 | 08h20

O real valorizado, na avaliação do ministro, pode ajudar na queda da inflação, mas não se pode confundir medidas cambias com as de combate à inflação. A contenção da alta de preços, como sinalizou o ministro, se dá por meio de outros fatores. "Há medidas específicas para baixar a inflação. O câmbio pode ajudar, mas as medidas fundamentais são o crescimento menor do crédito, elevação da taxa de juros, medidas prudenciais, aumento do (superávit) primário, redução do gasto público. Não manipulamos câmbio por causa da inflação", afirma.

O ministro não banca que a inflação vai recuar ao centro da meta (4,5%) em 2012, defende cautela na política de juros e diz que a posição do governo Dilma Rousseff é de combater a inflação "(sem) derrubar a economia". A íntegra da entrevista está na edição de hoje do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
Mantegacãmbioinflaçãopreços

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.