Mantega diz "política econômica é do presidente Lula"

O presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) partiu hoje em defesa do ministro da Fazenda, Antonio Palocci. Segundo Mantega, Palocci foi "muito autêntico, muito eficiente em desmontar esta verdadeira armadilha que foi montada contra ele e isso não abalou a confiança que existe hoje na economia brasileira".Para Mantega, o episódio serviu para mostrar que a economia está num "nível de maturidade impressionante" e também deixou claro que "independentemente de quem ocupa a Fazenda a política é do presidente Lula e, portanto, é esta política econômica que vai continuar".As avaliações foram feitas após apresentação em evento sobre o Rio.Mantega, que vem questionando aspectos da economia, como os juros altos e a elevação do superávit primário, usou grande parte do tempo da sua exposição para destacar os pontos positivos da economia."É uma política vitoriosa. Foi o que tentei demonstrar aqui. Nunca se reuniu condições tão favoráveis para o crescimento sustentado", afirmou, estimando um aumento do Produto Interno Bruto (PIB) de 3,5% a 4% para 2005 e de 4,5% a 5% para 2006.Crítica aos juros altosApesar da defesa da política, ele voltou a indicar que a inflação em baixa abre espaço para redução da Selic, taxa básica de juros da economia, que deverá ocorrer nos próximos meses, "a critério dos membros do Copom". Explicou, contudo, que é preciso ficar atento, porque a inflação não é estática.Em tom de brincadeira, comentou: "Quando ela sobe, evidentemente o pessoal do Banco Central (BC) fica mais nervoso e aí começa a fazer aquelas `maldades´ que nós todos não gostamos, mas que são necessárias para que a economia possa crescer com certo equilíbrio".SiderurgiaO BNDES poderá entrar com sócio na usina siderúrgica que a alemã Thyssen Krupp planeja montar no Rio, em parceria com a Companhia Vale do Rio Doce (CVRD), que será minoritária no empreendimento. A possibilidade foi admitida ontem pelo presidente do banco. Mantega ressaltou, contudo, que as negociações estão em aberto e não há definição sobre o possível apoio do banco. O valor do projeto, segundo o banco, é de US$ 2,5 bilhões.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.