Mantega diz que espera ver juros reais em 5%

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, disse em Buenos Aires nesta sexta-feira, 9, que espera que as taxas de juros reais da economia brasileira cheguem a 5% anuais. ?A minha expectativa é que o Brasil tenha, ao longo dos anos, uma taxa de juros real, de curto e de longo prazo, compatível com as taxas de juros dos demais países emergentes?, disse. ?Portanto, algo como 5% real.?Atualmente os juros reais - a taxa básica de juros, Selic, menos a inflação - estão em 8,6%. Segundo Mantega, hoje o Brasil possui condições necessárias para que se conquiste esse objetivo, dentro da política de metas inflacionárias fixada no País. Na última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), nesta semana, recordou, a redução dos juros foi de 0,25 ponto porcentual, fixando-se em 12,75% anuais. ?Essa redução ocorreu em meio a um período de ligeira turbulência internacional?, enfatizou. ?Ou seja, embora o mundo esteja às voltas com algumas dificuldades e alguma turbulência, mesmo assim o Brasil continua na sua trajetória de redução das taxas de juros.?Para o ministro, existe atualmente a ?segurança? de que é possível manter essa trajetória de crescimento econômico e de redução, gradual, das taxas de juros.?Satisfação?Mantega disse que é uma ?satisfação? para o Brasil ver que a Argentina, seu segundo parceiro comercial, depois dos Estados Unidos, está crescendo a taxas de 8% a 9% por ano. Mas disse que o Brasil ?não tem condições? de ter expansão econômica deste patamar. ?O Brasil não tem condições de crescer a 8%, mas tem condições de crescer a 5% de forma sustentada. E esse é nosso objetivo.? Mantega afirmou ainda que em 2007 a economia brasileira já registra crescimento superior a 4%. Para o ministro, é uma boa notícia para o Brasil que o país vizinho mantenha - pelo quarto ano consecutivo - os atuais índices de crescimento. ?Isso vai levar a Argentina a ter melhores condições econômica e social. Significa que a Argentina vai comprar mais produtos brasileiros e vai exportar também produtos para o Brasil?, estimou. ?A nossa integração econômica é cada vez maior e algumas empresas brasileiras transferem investimentos para a Argentina, devido à nossa valorização do câmbio frente à moeda argentina?, disse. Mantega lembrou que o mesmo, na mão inversa, já ocorreu no passado, quando o peso estava mais valorizado que o real, frente ao dólar.O ministro viajou a Buenos Aires para participar de reuniões com autoridades da Argentina e falou durante entrevista, no Ministério da Economia, ao lado da ministra Felisa Miceli.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.