Mantega diz que estabilidade fiscal será respeitada em pactos do governo

Planos foram propostos pela presidente após manifestações populares em todo o Brasil

Renata Veríssimo, da Agência Estado,

17 de julho de 2013 | 15h33

BRASÍLIA - O ministro da Fazenda, Guido Mantega, afirmou na tarde desta quarta-feira, 17, que qualquer ação que o governo tenha em determinada área virá acompanhada da redução de gastos em outra.

Ao ser questionado se o corte que será feito no Orçamento é importante para a credibilidade da economia, respondeu que a presidente Dilma Rousseff estabeleceu cinco pontos e que um deles é a estabilidade fiscal.

"Portanto, os atos que venhamos a fazer, inclusive para melhorar a mobilidade urbana, têm que vir acompanhados de redução de gastos em outras áreas. Ou seja, a manutenção do quadro fiscal sólido que nós temos hoje no País", afirmou o ministro.

Mantega falou com a imprensa ao deixar o Ministério da Fazenda para uma reunião com a presidente, na qual será discutido o contingenciamento no orçamento deste ano.

De acordo com o ministro, a manutenção do quadro fiscal é o que tem sido feito pelo governo, inclusive com Estados e municípios.

"Cada um tem que fazer a sua parte. A União tem que fazer sua parte fiscal, e faremos, e Estados e municípios têm que fazer a sua parte."

Tudo o que sabemos sobre:
Dilmapactos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.