Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Mantega diz que FMI precisa de US$ 1 trilhão em recursos

Ministro da Fazenda afirma que fundo necessita de mais dinheiro para conter a crise de crédito global

Nathália Ferreira, da Agência Estado,

02 de outubro de 2009 | 12h41

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, afirmou nesta sexta-feira, 2, que o Fundo Monetário Internacional precisa de "mais de US$ 1 trilhão" em recursos e novos poderes para oferecer swaps cambiais, como maneira de combater crises futuras. "O FMI precisa ter mais dinheiro para que possa dar mais dinheiro em uma crise de crédito", disse ele em entrevista ao jornal The Wall Street Journal durante o encontro anual do FMI, em Istambul.

 

Veja também:

linkReunião na Turquia marca novo FMI, diz diretor do fundo

linkAutoridades podem fazer mais por crescimento sustentável, diz FMI

 

Atualmente, o FMI tem cerca de US$ 750 bilhões em recursos, mas em torno de US$ 500 bilhões disso é oferecido de forma condicional - por meio de contas temporárias ou bônus. O diretor-gerente do FMI, Dominique Strauss-Kahn, também mencionou um aumento nos recursos do Fundo para US$ 1 trilhão ou mais nos comentários preparados para discurso no Palácio Ciragan, em Istambul, mas não citou o número ao proferir o discurso.

 

Mantega disse que alguns membros do FMI, incluindo China e Brasil, estavam formando vastas reservas como maneira de lidar com potenciais problemas financeiros. Se o FMI tivesse recursos suficientes e pudesse disponibilizar moeda por meio de swaps, da maneira como fez o Federal Reserve durante o auge da crise financeira, os países teriam menos motivos para acumular recursos.

 

Para convencer os países de que eles não precisam de tais reservas elevadas, disse ele, "precisamos de outro mecanismo para proteger os países". As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Guido MantegaFMI

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.