Mantega diz que PIB de 5,4% derruba mito do PIB potencial

Ministro destacou como virtude o fato de o crescimento ser equilibrado, permitindo que continue

Adriana Fernandes e Renata Veríssimo, da Agência Estado,

12 de março de 2008 | 12h14

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, afirmou hoje que o crescimento de 5,4% da economia em 2007 derrubou o mito do "PIB potencial" de que o Brasil não poderia crescer mais do que 3,5% sem gerar inflação. "São mitos que estão caindo. O PIB está crescendo mais do que 5% sem inflação", afirmou o ministro, em entrevista à imprensa para comentar o resultado do Produto Interno Bruto (PIB) de 2007, divulgado nesta quarta-feira, 12, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).Mantega afirmou que o PIB de 2007 tem várias virtudes. A primeira citada por ele é de que o crescimento acontece com "boa qualidade", porque vem acompanhado de uma taxa elevada de investimentos, com a Formação Bruta de Capital Fixo apresentando alta de 13,4% no ano passado. Esses investimentos, destacou Mantega, permitem o aumento da capacidade produtiva para atender à demanda. Mantega destacou que o aumento da demanda é a força propulsora do crescimento. "Com os investimentos, a economia tem conseguido atender ao aumento do consumo interno", disse ele.O ministro destacou como outra virtude o fato de o crescimento ser equilibrado, permitindo que continue nos próximos anos. "A economia acelera, enquanto a inflação está estabilizada. Isso é importante e inédito no Brasil", destacou Mantega. Ele ressaltou ainda que o crescimento tem gerado emprego e massa salarial, num movimento que se realimenta, desenvolvendo um ciclo virtuoso na economia. Produtividade Mantega afirmou ainda que o crescimento do PIB se dá por causa do aumento da produtividade no Brasil. Ele lembrou que o nível de investimento no ano passado ficou em 17,7% na proporção com o PIB. "A indústria está se modernizando, aproveitando o dólar baixo e importando máquinas e equipamentos", disse.  O ministro lembrou também que o nível de utilização da capacidade instalada está em torno de 83%, o que, na sua avaliação, mostra que as empresas estão implantando segundo e terceiro turnos de produção. "Estamos hoje num processo de aumento de produtividade que é fundamental para baixar o custo da economia", afirmou. Mantega disse também que já está implantando no Brasil um ciclo de crescimento econômico. Ele afirmou que não se trata de uma alta esporádica e que o País já cresce a taxas de mais de 3% nos últimos quatro anos. "O crescimento vai continuar nos próximos anos", afirmou. O ministro, que esteve mais cedo com o presidente Lula, contou que o presidente ficou satisfeito com o resultado do PIB e pediu para que a equipe econômica dê continuidade à aceleração do crescimento. "Não é uma aceleração desmesurada. A nossa opção é por um crescimento gradual para manter sua qualidade", acrescentou.  Segundo ele, um crescimento rápido demais pode gerar falta de demanda e obrigar o governo a abortar a expansão. Mantega disse que o crescimento acelerado também pode provocar problemas na infra-estrutura. Ele disse que o governo está acelerando as obras nesta área e, no atual nível de crescimento, não há pontos de estrangulamento.

Tudo o que sabemos sobre:
PIBCrescimento da economia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.