Mantega diz que verba do Proinvest será retroativa

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, disse nesta sexta-feira, durante a solenidade de ampliação do espaço fiscal para 17 Estados, que entende "a justa ansiedade dos governadores" e informou que os recursos do Proinvest (linha de crédito de R$ 20 bilhões do BNDES para os Estados) serão retroativos a seis meses, antes do momento da criação do programa, que ocorreu em junho. Dessa forma, o ministro disse que atenderá a demanda dos governadores pois as despesas, a partir de janeiro, serão cobertas com os investimentos.

CÉLIA FROUFE, EDUARDO CUCOLO E RENATA VERÍSSIMO, Agencia Estado

16 de agosto de 2012 | 13h40

Mantega disse também que solicitou ao BNDES um relatório semanal dos Estados que estão assinando os convênios. "Nossa ordem é liberar o mais rápido possível", garantiu o ministro. Segundo ele, os Estados também poderão recorrer agora ao Banco do Brasil "que está entrando em campo". "O Banco do Brasil tem mais recursos e mais agilidade", disse o ministro.

Segundo Mantega, o BNDES tem muitas incumbências e às vezes não tem como resolver rapidamente a liberação dos recursos. Mantega disse que a Caixa e o Banco do Nordeste também estarão operando os recursos do programa. O ministro pediu aos governadores que o acionem, caso a liberação não esteja de acordo com a demanda.O ministro aproveitou o evento para apresentar aos governadores o novo presidente do Banco do Nordeste, Ary Joel de Abreu Lanzarin.

Tudo o que sabemos sobre:
GASTOSESTADOSMANTEGAPROINVEST

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.