-15%

E-Investidor: como a queda do PIB afeta o mercado financeiro

Mantega e Lula vão se reunir com indústria sobre IPI de carros

Informação é do ministro Bernardo em entrevista à TV; para ele, governo não anunciará decisão antes do dia 30

Sandra Manfrini, da Agência Estado,

12 de março de 2009 | 16h01

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, e o presidente Luiz Inácio Lula da Silva vão, ainda neste mês, realizar reuniões com representantes da indústria automobilística para tratar da possível prorrogação da redução do IPI sobre automóveis novos. A informação foi dada nesta quinta-feira, 12, pelo ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, em entrevista à Globo News. A redução do IPI sobre automóveis, anunciada em dezembro do ano passado, vigora até o dia 31 de março, caso o governo não prorrogue o benefício.  Veja também: Setor de veículos se recupera e indústria tem 1ª alta na criseGoverno deve prorrogar redução de IPI; Mantega não confirmaDe olho nos sintomas da crise econômica  Dicionário da crise Lições de 29Como o mundo reage à crise   "Eu sei que o ministro Guido Mantega já tem reuniões com o presidente Lula e com a indústria (automobilística) para resolver isso, mas dificilmente ele vai anunciar (a decisão) antes do dia 30 de março", disse o ministro, quando questionado se a redução do imposto seria estendida. Paulo Bernardo ainda brincou que, sobre o assunto, se sentia um "homem dividido". "Como cidadão, estou torcendo para que eles mantenham a redução do IPI. Isso é bom, vai aumentar as vendas, vai melhorar o mercado. Mas, como ministro do Planejamento, fico olhando a planilha de arrecadação e pensando nas despesas", disse.  A tabela do IPI para automóveis que vale até o final de março é a seguinte: carros de até 1.000 cilindradas terão alíquota reduzida de 7% para 0%; carros acima de 1.000 até 2.000 cilindradas movidos à gasolina terão IPI reduzido de 13% para 6% e movidos a álcool ou flex, de 11% para 5,5%; carros acima de 2.000 cilindradas terão IPI mantido em 25% para os à gasolina e em 18% para os a álcool e flex; picapes de até 1.000 cilindradas terão redução do IPI de 8% para 1%; e de 1.000 até 2.000 cilindradas terão redução geral de 8% para 4% no IPI. Arrecadação federal O ministro confirmou que, no próximo dia 20, o governo encaminhará ao Congresso Nacional um relatório de receitas e despesas do primeiro bimestre e disse que, como a arrecadação federal diminuiu muito, será preciso adotar medidas para adequar receita e despesa. "Significa que vamos ter que diminuir despesas. É bem verdade que já nos antecipamos em janeiro e fizemos um contingenciamento da ordem de R$ 37 bilhões. Tanto que achamos que não vamos ter que fazer aperto adicional. Se tiver que fazer, será pouca coisa", disse o ministro que reafirmou a intenção do governo de manter os investimentos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e os programas sociais. "Portanto, todos os demais programas são sérios candidatos a terem cortes. Vamos ter que resolver isso até semana que vem", disse.  Com relação às previsões do governo para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) neste ano, Paulo Bernardo admitiu que, diante dos últimos indicadores, como o resultado do quarto trimestre de 2008, é quase impossível atingir a meta de crescimento de 4%. "É possível que haja uma revisão (dessa meta), mas é bom lembrar o seguinte: já temos sinais de melhora na economia. A nossa impressão é que vamos ter um resultado fraco no primeiro trimestre, que já vai quase acabando, mas, no segundo trimestre, vai melhorar", disse, lembrando que o governo vai lançar o pacote de habitação. "Esse programa deve dar um efeito rápido. Nós não estamos inventando a roda. Nós só vamos intensificar aquilo que o governo vinha fazendo na área de habitação", disse.   

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.