Mantega: economia brasileira cresce hoje à taxa de 6%

Apesar de se recusar de falar sobre as medidas cambiais em estudo pela equipe econômica, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, afirmou hoje que o governo vai impulsionar as exportações brasileiras. Segundo ele, não é pelo fato de o País ter um mercado interno robusto que se pode descuidar do setor externo.Para ele, o setor externo foi importante no processo de redução da vulnerabilidade do País. Ele destacou ainda que o governo vai continuar reforçando as reservas internacionais brasileiras. Segundo ele, esse reforço tem permitido ao País enfrentar a crise externa. O ministro avaliou que a crise externa tornou-se mais grave. "Temos que nos precaver", disse o ministro.Ele admitiu que, com o agravamento da crise externa, é possível que haja uma desaceleração do crescimento da economia brasileira em 2008. Hoje, disse o ministro, a economia cresce à taxa de 6%, depois da aceleração verificada a partir do segundo semestre de 2007. "A economia começou o ano acelerada. Mas, em função da crise internacional, é possível que haja desaceleração", disse Mantega.Para o ministro, um crescimento de 5% em 2008 é bastante razoável. Mantega insistiu na necessidade de prudência porque a "crise é séria" (nos Estados Unidos). Ele destacou que, no passado, a crise que começou em agosto de 2007 teria provocado desaceleração imediata da economia e aumento de juros, o que não aconteceu. Ele comentou ainda a piora das contas externas, lembrando que ele próprio já havia alertado que, com o crescimento maior da economia doméstica, seria natural que ocorresse um aumento das importações e, com isso, redução do saldo comercial.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.