Mantega estima R$ 12 bi de renúncia fiscal este ano

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, estimou hoje que deve chegar a R$ 12 bilhões o total de desonerações tributárias concedidas este ano pelo governo para vários setores produtivos, a fim de estimular as vendas e reduzir os efeitos da crise financeira mundial sobre a economia do País.

RICARDO LEOPOLDO, Agencia Estado

17 de dezembro de 2009 | 17h30

Mantega, contudo, destacou que tal renúncia fiscal não pode ser interpretada de forma linear, pois se o governo abriu mão da arrecadação de uma parcela da arrecadação de tributos, por outro lado obteve receitas adicionais com o incremento dos negócios por parte das empresas. "Não podemos ver que o governo deixou de arrecadar R$ 12 bilhões ou R$ 13 bilhões, pois, se abriu mão de uma parte do IPI, ele aumentou a arrecadação com outros tributos, como o PIS e a Cofins", disse.

O ministro ressaltou que a economia brasileira está crescendo e que, em 2010, com a retomada plena do nível de atividade, gradualmente poderão ser retirados estímulos fiscais para vários segmentos produtivos da economia. "Como a economia é dinâmica, não posso dizer que a concessão de estímulos terminou, pois algum setor pode ter necessidade de algum estímulo e, nesse caso, precisaremos estudar a sua viabilidade", destacou. "A economia do Brasil está crescendo e a maioria dos setores produtivos está indo bem, graças, inclusive, à ação do governo na redução de tributos, como ocorre com a indústria automobilística, cujas vendas em 2009 vão superar as registradas em 2008", comentou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.