Mantega fala de combate à inflação ao conselho político na 4ª

Ministro da Fazenda vai apresentar medidas contra alta dos preços e proposta de criação do fundo soberano

Leonencio Nossa, de O Estado de S. Paulo,

23 de junho de 2008 | 17h05

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, apresenta ao conselho político do governo, na tarde desta quarta-feira, 25, medidas de incentivo à produção de alimentos e combate à inflação e a proposta que cria o Fundo Soberano do Brasil, voltado a projetos de empresas brasileiras no exterior. A reunião, que deve ocorrer no Palácio do Planalto a partir de 14h30, contará com a presença de dirigentes de partidos aliados e lideranças do governo no Congresso. Até o momento não está confirmada a participação do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Veja também:Entenda o que é fundo soberanoEntenda os principais índices de inflação  Entenda a crise dos alimentos   A reunião do conselho político com Guido Mantega estava prevista para ocorrer na última quinta-feira, mas foi adiada. A princípio, a intenção do ministro da Fazenda, segundo auxiliares do presidente Lula, era avaliar a receptividade da proposta entre os líderes aliados. Algumas lideranças, no entanto, já disseram ao próprio Mantega e ao Planalto que o projeto de lei propondo o fundo só deve ser enviado ao Congresso após as eleições municipais. Eles argumentam que a base aliada concentra esforços para aprovar a proposta que recria o imposto do cheque, a CPMF, chamado agora de Contribuição Social para a Saúde (CSS). O conselho político, segundo auxiliares do presidente Lula, está mais disposto a ouvir de Guido Mantega medidas para conter o aumento no preço dos alimentos. Às vésperas das eleições, parlamentares que dão apoio ao Planalto querem ouvir sugestões para incrementar o discurso "preventivo" nos comícios. Ninguém descarta a possibilidade de a inflação no setor de alimentos virar tema nos discursos da oposição, embora as questões nacionais tenham ficado de fora dos últimos embates municipais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.