Mantega fala em cortar imposto de importação se aço aumentar

Indústrias de eletroeletrônicos receberam tabela com preços de 5% a 8% maiores para janeiro

Renata Veríssimo e Alexandre Rodrigues, da Agência Estado,

16 de dezembro de 2009 | 10h18

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, disse ontem à noite à Agência Estado que já mandou apurar se de fato as siderúrgicas farão um reajuste no preço do aço, conforme declarou ontem

o presidente da Associação Nacional de Fabricantes de Produtos Eletroeletrônicos (Eletros), Lourival

Kiçula. Mantega disse que se a informação estiver correta, ele reduzirá a alíquota do imposto de

importação (II) do aço. "Eles (siderúrgicas) sabem disso", afirmou.

 

Ontem, Kiçula disse à Agência Estado que as indústrias associadas à Eletros já receberam uma

tabela com reajuste médio de 5% a 8%, na maioria dos casos a partir de janeiro. Mas alguns aumentos

já ocorrerão em dezembro, segundo Kiçula.

 

Também ontem, o ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Miguel Jorge, ameaçou com a possibilidade de o governo reduzir a tarifa de importação do aço, em casos injustificáveis de aumento de preços pelas siderúrgicas brasileiras.

 

A produção brasileira de aço alcançou 2,7 milhões de toneladas em novembro, recuando 4,3% em relação a outubro, informou nesta quarta-feira o Instituto Aço Brasil (ex-IBS). No entanto, o resultado representa um crescimento de 15,1% em relação ao mesmo mês em 2008.

 

A produção de laminados teve queda de 7,6% em relação a outubro, fechando novembro com 2 milhões de toneladas. Ante novembro de 2008, a variação é positiva: 15,4%. Segundo o IABr, a produção de aço bruto acumulada entre janeiro e novembro totalizou 23,9 milhões de toneladas. O acumulado de laminados ficou em 18,2 milhões de toneladas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.