Mantega: fim da CPMF afetaria Bolsa Família

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, afirmou que seria trágico para o País se a renovação da CPMF não for aprovada pelo Congresso Nacional. "Teríamos de desativar programas como o Bolsa Família e reduzir o superávit primário. A emenda 29 (que estipula a destinação de recursos para a Saúde) teria de ser discutida", afirmou Mantega. A não renovação da CMPF, de acordo com Mantega, também seria uma "péssima" sinalização para os mercados. "Seria um sinal de que um desequilíbrio fiscal seria cometido. Haveria uma redução da confiança no governo", disse. De acordo com o ministro, também poderia gerar um aumento das taxas de juros de mercado e elevar os custos de captação no exterior para as empresas brasileiras.Mantega também acrescentou que a redução ou extinção da CPMF obrigaria o governo a fazer um corte profundo das despesas. Isso, de acordo com o ministro, causaria sérios danos para a população.

GUSTAVO FREIRE E FABIO GRANER, Agencia Estado

04 de setembro de 2007 | 14h09

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.