Mantega garante meta fiscal e vê má vontade da oposição

O governo cumprirá "rigorosamente" ameta fiscal mesmo sem a CPMF, garantiu o ministro da Fazenda,Guido Mantega, nesta quinta-feira, deixando para a próximasemana o anúncio de medidas que compensarão a perda de receitasimposta pela derrota no Congresso. Para o ministro, uma parte da oposição simplesmente nãoestava disposta a prorrogar o tributo independentemente do queo governo oferecesse como acordo. "Vamos manter a política de responsabilidade fiscal... Nãohaverá redução das metas fiscais do país, as metas fiscais queestão programadas para os próximos anos serão cumpridasrigorosamente", afirmou a jornalistas. Mantega disse ainda que o governo foi "até o limite" dasnegociações quando colocou todos os recursos da CPMF àdisposição da área de saúde. "O que falhou é que havia um núcleo da oposição que nãoqueria a negociação", disse. "Na última hora, mesmo fazendotodas as concessões, oferecendo todos os recursos para a saúde--que era reivindicação de todos os governadores-- não foipossível." O fim da CPMF representa uma perda anual de cerca de 40bilhões de reais em receitas para o governo. DESONERAÇÃO CONGELADA O governo também suspendeu as medidas de desoneraçãoestudadas para o setor industrial diante da não-prorrogação daCPMF, segundo o ministro. Ele disse ainda que o governo pretende revisar o projeto dereforma tributária e apresentá-lo ao Congresso. "Nós retomaremos a reforma tributária... tão logo façamosessa adaptação da reforma tributária à nova realidade, ela seráapresentada ao Congresso", afirmou. Questionado, Mantega avaliou que o fim da CPMF não vaiatrapalhar o grau de investimento almejado pelo país. "Não acredito que vá afetar o investment grade uma vez quenós nos comprometemos em manter o superávit primário, mantemosas condições para o que crescimento continue em curso." O ministro foi além. Prometeu mais crescimento, mesmo sem aCPMF. "Eu garanto aos senhores que no ano que vem a economiabrasileira cresce numa taxa maior do que está crescendo."(Reportagem de Raymond Colitt)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.