Mantega garante que ministros trabalham em sintonia

O ministro do Planejamento, Guido Mantega, adiantou que o governo vai liberar R$ 800 milhões do orçamento, que estavam bloqueados, para gastos com transportes, reforma agrária e pagamento de funcionários públicos. Em entrevista ao Conta Corrente, da Globo News, reapresentada no Jornal das Dez, o ministro reafirmou que a economia vai crescer entre 3,5% e 4% neste ano e que o desemprego vai diminuir. E apesar das divergências tornadas públicas no governo, Mantega afirma que a equipe de ministros trabalha em sintonia. Abordando a questão das intrigas internas no governo, Mantega salientou que o que existe são "pequenas divergências" que não comprometeriam a execução do programa de governo. "Muitas vezes há algum mal-entendido, alguma insatisfação. Mas de um modo geral há uma sintonia entre os ministros, porque eles estão cumprindo um programa de governo que é definido pelo presidente da República", salientou Mantega. "Muitas vezes pode haver um problema de comunicação, ou então alguém que se manifesta, na privacidade, de forma um pouco mais veemente. Mas isso não tem a menor importância." Ministro nega onda de greves O titular da pasta de Planejamento procurou minimizar as greves que têm ocorrido no setor público federal e garantiu que a questão do reajuste será tratada de uma forma conjunta. "Não há exatamente uma onda de greves. São duas ou três categorias, que do ponto de vista numérico não é expressivo, mas é claro que traz um transtorno grande para a população", admitiu. "Na próxima semana nós estaremos negociando com o conjunto do funcionalismo um reajuste geral. E nós cremos que poderemos chegar a um entendimento." Crescimento sustentado O ministro anunciou que o governo decidiu liberar R$ 800 milhões que estavam contingenciados, depois de constatar um aumento na arrecadação. "Nós devemos terminar este ano com um nível de desemprego menor do que o ano passado," garantiu. "No segundo semestre do ano passado a indústria cresceu 5%. Esse crescimento já está se estendendo para o início de 2004. Se nós conseguirmos chegar a um crescimento de 3,5% a 4% neste ano teremos cumprido a nossa missão e será a primeira etapa do processo de crescimento sustentado do País." ?Governo não está parado? O ministro rebateu as críticas de que o governo estaria paralisado: "O governo não está imobilizado, muito pelo contrário", garantiu. "Eu nunca vi um governo que conseguisse aprovar tantas leis, tanto marco regulatório num período tão curto na história do País: reforma tributária, reforma previdenciária, uma nova lei de falências que está na fase final de aprovação, modelo do setor elétrico que já foi aprovado, modelo de saneamento que vai entrar na pauta nos próximos dias, a lei de PPP. Eu acho que nenhum país do mundo conseguiu encaminhar e aprovar tantos projetos."

Agencia Estado,

25 Março 2004 | 07h28

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.