Mantega: governo vai retomar reforma tributária

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, disse hoje que o governo vai retomar a reforma tributária. "É claro que será revisada à luz da pauta da CPMF. Isso faz uma diferença e, assim que reavaliarmos, ela será enviada ao Congresso", disse. O ministro não quis responder se o governo irá reapresentar ao Congresso um novo projeto recriando a Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF). "Não vou responder. Isso faz parte das medidas e vai ficar em suspenso até a semana que vem", disse Mantega, referindo-se ao pacote de medidas que ele prometeu anunciar na próxima semana para compensar os prejuízos com a perda da arrecadação da CPMF. "Sempre disse que a não aprovação da CPMF traria prejuízo ao País, principalmente à população de baixa renda", continuou o ministro. Mantega lembrou que, com a proposta do governo de destinar todos os recursos da CPMF para a Saúde, esse volume passaria dos atuais R$ 45 bilhões para mais de R$ 80 bilhões até 2010. "Esse segmento certamente será penalizado. Os demais setores dependem da definição das medidas e dos instrumentos", afirmou. Mantega garantiu que o governo não vai permitir que o momento virtuoso da economia seja prejudicado. "Cabe ao governo assegurar este momento favorável da economia, e nós vamos tomar medidas que serão anunciadas na semana que vem", afirmou.O ministro afirmou ainda que não vai dar nenhuma pista agora das medidas que estão em estudo pelo governo. Mantega explicou que será um conjunto de medidas que se complementam e que não iria antecipá-las porque apresentará ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva quando ele retornar de viagem ao exterior. Segundo Mantega, o presidente o incumbiu de produzir essas medidas e elas terão ainda que ser submetidas à aprovação de Lula.Grau de investimentoMantega negou que o fim da CPMF possa ter impacto na expectativa de o Brasil receber o grau de investimento nos próximos meses. "Acredito que não vai afetar, porque nos comprometemos a manter o superávit primário", disse o ministro, em entrevista coletiva à imprensa, no Ministério da Fazenda.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.