Mantega nega negociação para reduzir dívida dos Estados

Segundo o ministro, o governo apenas se comprometeu a alterar o indexador das dívidas estaduais

Francisco Carlos de Assis e José Roberto Castro, da Agência Estado,

24 de maio de 2013 | 16h04

SÃO PAULO - O ministro da Fazenda, Guido Mantega, disse nesta sexta-feira, 24, que o governo não está negociando redução de dívida com os Estados. Segundo ele, a única coisa que o governo se comprometeu foi em alterar o indexador das dívidas estaduais. "O governo entende que, se mudar o indexador, já reduziria naturalmente a dívida dos estados", disse o ministro ao sair de um restaurante em São Paulo, onde participou de uma reunião com representantes do Instituto de Estudos para o Desenvolvimento da Indústria (Iedi).

De acordo com Mantega, reduzir a dívida dos estados significa violar a Lei de Responsabilidade Fiscal. Ainda, segundo ele, o governo criou espaço para que os Estados pudessem promover investimentos e, para o ministro, os Estados nunca investiram tanto quanto estão fazendo agora. "Não falta espaço para os investimentos dos Estados", reforçou.

Sobre a reforma do ICMS, o ministro disse que a negociação está no Congresso e que o governo não aceita a emenda que garante um desconto de até 45% da dívida dos entes federados com a União.

Sobre a reunião, Mantega disse que o encontro serviu para discutir a situação econômica do país e acrescentou que recebeu dos representantes do Iedi um documento com dez propostas para melhorar a situação fiscal do país e cambial entre outros pontos.

Antes de Mantega sair, o empresário Eugênio Staub, da Gradiente, falou das propostas entregues ao ministro e reconheceu que nos 24 anos do Instituto muita coisa melhorou no que se diz respeito à taxa de juros e à política cambial brasileira. "A taxa de juros caiu e o câmbio encontra-se num patamar razoável", disse.

Tudo o que sabemos sobre:
mantegadividaestadosicms

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.