Mantega nega pacote cambial, admite fim da cobertura

O ministro da Fazenda, Guido Mantega,se disse preocupado com o que classificou de "derretimento" docâmbio nesta terça-feira, e indicou que o governo poderá acabarcom a obrigação da cobertura cambial pelas empresas como formade conter a valorização do real. "É possível que possamos acabar com a cobertura cambial",afirmou Mantega a jornalistas. Ele lembrou que projeto de lei em estágio final detramitação no Congresso propondo a criação de zonas deprocessamento de exportações já autoriza as empresas a mantersuas receitas de exportação no exterior --atualmente, apenas 30por cento dos recursos podem deixar de voltar ao país. O jornal Valor Econômico publicou nesta terça-feira que ogoverno estuda um conjunto de medidas para frear a queda dodólar frente ao real, entre elas a volta da cobrança de Impostode Renda sobre ganhos obtidos por investidores estrangeiros naaplicação de títulos públicos. Questionado sobre a volta da tributação, Mantega afirmouque o assunto "por enquanto" é apenas especulação. "Quando houver alguma medida nesse sentido, eu serei oprimeiro a anunciar a vocês", respondeu a jornalistas apósreunião com membros do PMDB. Ele negou haver "um pacote cambialem curso". Durante a reunião, Mantega havia afirmado que adesvalorização do real "preocupa" o governo e é problema a ser"enfrentado". "Uma valorização é natural, nosso câmbio é flutuante, porémnós a todo o momento estamos estudando medidas para estimularexportações e atenuar alguma valorização cambial", acrescentouo ministro a jornalistas. Para o ex-diretor de Assuntos Internacionais do BC,Alexandre Schwartsman, as medidas, caso adotadas, terão poucoefeito prático sobre a cotação cambial. "Medidas para enfraquecer o câmbio com a inflação pendendoem equilíbrio delicado e os preços das commodities subindofortemente não me parecem a melhor recomendação de políticaeconômica", criticou o economista do banco ABN Amro emrelatório. As notícias sobre um possível pacote cambial contiveram aqueda do dólar no meio do dia, mas a moeda norte-americanaacabou fechando esta terça-feira com queda de 1,35 por cento,acompanhando a melhora do mercado global. No ano, o real acumula valorização de 5,5 por cento frenteao dólar. (Com reportagem adicional de Silvio Cascione) (Edição de Alexandre Caverni)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.