Mantega nega que BC tenha "errado a mão" na política de juros

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, questionado, em entrevista, sobre a possibilidade de o Banco Central ter "errado a mão" ao adotar cautela na redução dos juros mesmo com a inflação abaixo do centro da meta oficial, respondeu com uma pergunta: "Qual é a utilidade dessa conclusão? O que interessa é que, hoje, o Banco Central está reduzindo a taxa (de juros), mantendo a inflação sob controle. Os resultados são muito positivos, porque a economia está crescendo, e nós vemos hoje um crescimento sustentado. Isso significa que estamos conseguindo o nosso objetivo, que é construir um crescimento sustentado no País.", acrescentou.Segundo o ministro, o setor industrial está puxando o crescimento e tem havido uma recomposição do setor agrícola. "Isso quer dizer que as taxas de juros estão adequadas. Se elas não fossem adequadas, não estaria havendo investimento. Por que eu vou continuar mexendo no passado, que não tem nenhuma utilidade prática? Se o Banco Central fosse conservador, ou inadequado, no meio da turbulência do mercado quando houve a reunião do Copom (em junho), o Banco Central teria suspendido a queda da Selic, ou poderia, mesmo, ter aumentado", afirmou Mantega. Ao comentar a projeção da Fipe de uma inflação de 2,5% para este ano, Mantega afirmou que será "a menor de todos os tempos". Isso, segundo o ministro, significa que a política monetária está correta. "Isso é que é importante. Está dando resultado? Como é que se mede se uma política está correta? É pelo resultado."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.