Mantega: nota da Fitch reforça o Fundo Soberano

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, avaliou nesta tarde que a elevação do Brasil a grau de investimento pela agência de classificação de risco Fitch Ratings pode reforçar ainda mais o Fundo Soberano do Brasil. Isso porque, segundo ele, os países que já receberam o grau de investimento têm condições de ter fundo soberano. Mas, para Mantega, a elevação não influencia o fundo porque a decisão de sua criação já estava tomada pelo governo. "A decisão de criar o Fundo Soberano já estava tomada, mas agora ela pode ser até mais reforçada", afirmou Mantega em entrevista na portaria do Ministério da Fazenda.Ao avaliar a decisão da Fitch, Mantega disse que a principal razão para o Brasil receber o grau de investimento da Fitch foi a solidez fiscal das contas públicas. Segundo ele, não foi por outra razão que a Fitch anunciou sua decisão no dia seguinte à divulgação dos dados do setor público pelo Banco Central, que apontaram superávit nominal. Ele lembrou que a agência Standard & Poor''s também concedeu o grau de investimento após a divulgação dos dados fiscais pelo BC.Mantega explicou que o superávit nominal permite, inclusive, o pagamento dos juros e ainda sobram recursos. Ele disse que a segunda razão foi a redução da vulnerabilidade externa do País e a terceira, o crescimento sólido e equilibrado com inflação sobre controle. Para o ministro, a combinação desses fatores levou ao grau de investimento, pois significa "desenvolvimento". "O País está na rota de desenvolvimento com inclusão social. O País se tornou mais sólido com crescimento sustentado", afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.