Mantega: PAC conseguiu promover o crescimento

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, afirmou hoje que o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) tem sido bem-sucedido no seu objetivo de promover a aceleração do crescimento da economia. Ele destacou que os resultados econômicos em 2007 são, no geral, melhores do que os previstos inicialmente, no lançamento do PAC.Entre esses indicadores melhores, ele mencionou a taxa Selic nominal média, que ficou em 11,9% ao ano, ante uma projeção de 12,2%; a taxa de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB), que ficou acima de 5% (o dado de 2007 ainda não foi fechado pelo IBGE), ante uma estimativa de 4,5%; Mantega destacou também que a inflação ficou em 2007 em 4,5%, dentro de meta, embora ligeiramente acima dos 4,1%, e isso ocorreu, basicamente, segundo ele, pela alta nos preços dos alimentos no segundo semestre.Outros indicadores destacados por Mantega foram o superávit primário da dívida pública acima da meta de 3,8% do PIB e a relação dívida pública/PIB, que chegou a 42,6% em novembro de 2007, ante uma projeção de 43,4%. O ministro ressaltou que em dezembro a relação dívida/PIB deve subir um pouco e se aproximar da projeção para o ano. "Fomos bem-sucedidos, e o PAC conseguiu acelerar o crescimento do País, mantendo os fundamentos da economia", afirmou Mantega.Ele ressaltou que o Brasil está hoje menos vulnerável e, graças aos fundamentos sólidos da economia, "está em situação privilegiada" para enfrentar a atual crise internacional. "O Brasil não é imune, mas nunca estivemos tão preparados. Imagina se a crise tivesse ocorrido alguns anos atrás", disse o ministro, que mantém as projeções de um crescimento de 5% da economia brasileira para 2008 e de uma inflação de 4,5%.Mantega destacou o crescimento dos investimentos internos acima do PIB, a aceleração das vendas no varejo, o crescimento do crédito, a queda nos juros, segundo ele, todos fatores que mostram os bons resultados do PAC.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.