Mantega prevê redução no preço de combustíveis

Ministro nega aumento do teor de anidro na gasolina; etanol está mais caro em 13 Estados

Adriana Fernandes e José Roberto Gomes, Agência Estado

23 de abril de 2014 | 12h52

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, afirmou nesta quarta-feira, 23, que espera uma redução dos preços dos combustíveis nos próximos dois meses, quando entrará no mercado a nova safra de cana de açúcar que pode reduzir o preço do etanol.

Segundo ele, isso vai ajudar a controlar a inflação. "Isso vai acontecer entre maio e junho. Nós teremos o menos preço de etanol e, portanto, o menor preço de gasolina."

Em rápida entrevista após participar de lançamento do portal de comércio exterior, o ministro da Fazenda negou que o governo vá aumentar a participação de álcool anidro na gasolina para ajudar no combate à inflação.

"Sempre é possível, mas nesse momento não estamos cogitando. Hoje a mistura é de 25% e nós agora estamos num período em que o etanol aumenta sua produção. Estamos começando a safra (de cana de açúcar). Quando entrar essa safra, ela vai reduzir o preço do etanol e também dos combustíveis", afirmou o ministro.

Álcool mais caro. Os preços do etanol hidratado nos postos brasileiros subiram em 13 Estados, caíram em 12 e ficaram estáveis no Amapá e no Distrito Federal na semana encerrada no sábado, 19, mostram dados da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). Na semana anterior, o biocombustível havia subido em 18 Estados, caído em apenas cinco e ficado estável em três e no Distrito Federal.

No período de um mês, os preços do etanol subiram em 21 Estados e no Distrito Federal, caíram no Paraná, em São Paulo e em Rondônia e ficaram estáveis na Paraíba e em Roraima.

Em São Paulo, principal Estado consumidor, a cotação caiu 1,26% na última semana, para R$ 2,029 o litro. No período de um mês, acumula queda de 1,88%.

Na semana, o maior recuo das cotações foi registrado no Ceará (-2,25%), enquanto que a maior alta ocorreu no Maranhão (3,23%). No mês, o Distrito Federal segue acumulando a maior alta, de 6,81%.

No Brasil, o preço mínimo registrado para o etanol foi de R$ 1,539 o litro, no Estado de São Paulo, e o máximo foi de R$ 3,17/litro, no Amazonas. Na média, o menor preço foi de R$ 2,029 o litro, em São Paulo. O maior preço médio foi verificado no Amapá, de R$ 2,84 o litro.

Sem competitividade. O etanol nos postos de combustíveis continuou sem competitividade ante a gasolina em todos os Estados do País e também no Distrito Federal. É a quinta semana consecutiva sem competitividade.

Segundo o levantamento, a gasolina está mais vantajosa principalmente no Amapá, onde o etanol custa o equivalente a 95,85% do preço da gasolina - a relação é favorável ao biocombustível quando está abaixo de 70%. O preço médio da gasolina em São Paulo está em R$ 2,880 o litro. Na média da ANP, o preço do etanol no Estado ficou em R$ 2,029 o litro.

Tudo o que sabemos sobre:
Mantegacombustíveisinflação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.