Mantega rechaça críticas sobre aumento da carga tributária

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, defendeu o governo das críticas sobre o aumento da carga tributária. Nesta segunda-feira, a Confederação Nacional dos Municípios distribuiu, no Congresso Nacional, um documento que aponta um crescimento da carga tributária de 38,41% do PIB em 2005 para 39,69% em 2006. Mantega afirmou que a carga tributária do País só aumentou em 2006 por causa do crescimento do nível de atividade, do aumento da fiscalização e da formalização da economia. "Nós só estamos reduzindo alíquota. Me mostre uma alíquota de tributo que nós aumentamos mo ano passado", afirmou.O ministro afirmou que há uma confusão entre aumento da carga tributária, provocada pela elevação de alíquotas, e aumento da arrecadação, gerado pelo desempenho melhor da economia. "Agora a economia está se comportando melhor. Temos um lucro maior das empresas e aumento da formalização da atividade econômica. Tudo isso gera uma arrecadação maior", ponderou Mantega ao chegar ao Ministério da Fazenda para uma reunião com dirigentes da Ford.Ele prometeu que assim que o governo puder ampliará a desoneração de tributos. Alertou que antes será preciso ver o resultado da desoneração prevista no PAC de R$ 6,5 bilhões para 2007 e de 11,5 bilhões para 2008.Mantega lembrou que a Lei Geral das micro e pequenas empresas, que vai entrar em vigor no segundo semestre deste ano, também provocará uma grande perda de arrecadação. O ministro rechaçou as avaliações de que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva não cumpriu a promessa de não elevar a carga tributária durante o primeiro mandato. "O compromisso do presidente está sendo cumprido integralmente", disse Mantega.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.