coluna

Louise Barsi explica como viver de dividendos seguindo o Jeito Barsi de investir

Mantega reforça que País vai cumprir meta fiscal

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, garantiu nesta sexta-feira, 28, novamente, que o País vai cumprir a meta fiscal de 1,9% do Produto Interno Bruto (PIB) de superávit primário. Ao encerrar aula magna na Escola de Economia de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas (EESP-FGV), o ministro respondeu aos jornalistas que a situação fiscal foi "bem-recebida" quando se estabeleceu a meta de 1,9%. "Eu queria aqui garantir que nós vamos cumprir esse 1,9%, mesmo com a questão elétrica", disse Mantega.

RICARDO LEOPOLDO E BEATRIZ BULLA, Agencia Estado

28 de março de 2014 | 14h21

Ao comentar o resultado de fevereiro, Mantega afirmou que "fevereiro é um mês fraco, normalmente". "Nós já estamos com R$ 20 bilhões de primário acumulado em janeiro e fevereiro", completou o ministro em referência ao número divulgado hoje pelo Banco Central de superávit acumulado de R$ 22,1 bilhões nos dois primeiros meses do ano. Segundo Mantega, em março o superávit será melhor do que foi em fevereiro.

"Fevereiro do ano passado tivemos R$ 76 bilhões de arrecadação e esse ano foi quase R$ 83 bilhões. Foi razoável o aumento, mas é um mês fraco", completou, sobre a arrecadação de impostos e contribuições federais. De acordo com o ministro, os meses fortes de arrecadação são janeiro, março e abril - este último mês há o pagamento do Imposto de Renda. "E até maio, junho já teremos um resultado razoável", disse.

Inflação

Mantega comentou ainda que há uma pressão na inflação e que ela ocorre em função de alguns fatores, especialmente os alimentos e os custos dos serviços. "Houve seca também nos EUA. Os alimentos são commodities, portanto, seus preços são determinados de forma internacional", destacou.

O ministro também ponderou que no caso dos serviços boa parte dos aumentos são motivados pelo avanço da renda da população, num contexto de pouca competição internacional.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.