Mantega saúda mudanças do FMI sobre países membros

Segundo ministro, alterações atendem ´quase todas´ as preocupações do Brasil

Agencia Estado

21 de junho de 2007 | 12h49

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, divulgou nesta quarta-feira, 20, nota afirmando que as mudanças aprovadas na última sexta-feira nas regras de monitoramento dos países membros pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) atendem "quase todas" as principais preocupações do governo brasileiro. "O Brasil e os demais países em desenvolvimento conseguiram introduzir mudanças consideráveis no documento final", diz o ministro.Na avaliação de Mantega, a nova decisão limita a atuação do FMI no que diz respeito às políticas domésticas. Segundo a nota, a versão final estabelece limites à interferência no campo doméstico. Políticas fiscais, monetárias e financeiras serão examinadas no exercício do monitoramento e outras políticas serão examinadas pelo FMI apenas na medida em que influenciem significativamente a estabilidade externa da economia. Mantega informou que, por insistência principalmente do Brasil e da Argentina, foi introduzido explicitamente no texto o esclarecimento de que não há ampliação do escopo em relação às políticas domésticas.Para o ministro, a mudança também permite a utilização de dois instrumentos controversos no fundo, mas considerados legítimos pelo País: esterilização do capital e controle de capitais. Mantega afirma que a decisão resultou de um intenso processo de negociação no qual o Brasil teve ativa participação, tendo negociado individualmente com a direção do FMI e, também, em aliança com países em desenvolvimento como Índia, Egito, Indonésia, China, Colômbia e, particularmente, a Argentina. "Nesta negociação, a nossa preocupação central foi a de preservar a soberania das políticas econômicas nacionais, evitando a criação direta ou indireta de novas obrigações, particularmente em relação às políticas domésticas", explica o ministro.

Mais conteúdo sobre:
MantegamudançasFMI

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.