Mapfre vence leilão de compra da Nossa Caixa Seguros

A Mapfre Vera Cruz Seguradora adquiriu hoje o controle acionário da Nossa Caixa Seguros e Previdência, subsidiária do Banco Nossa Caixa, por R$ 225,828 milhões. O negócio aconteceu por meio de leilão de venda realizado na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa). A seguradora espanhola ofertou R$ 22,14 por ação, o que representou um ágio (prêmio) de 46,62% sobre o preço mínimo de R$ 15,10 por papel. A Icatu Hartford, uma das habilitadas para o leilão, não fez nenhum lance. Já a francesa Cardif, terceira concorrente, ofertou apenas o preço mínimo. A Mapfre já era cotada, junto com a Icatu, como a favorita para a compra do controle da subsidiária da Nossa Caixa. Recentemente, a seguradora perdeu a disputa pela Real Seguros, adquirida pela Tokio Marine por R$ 897 milhões. Preço baixo O presidente da Mapfre Vera Cruz Seguros, Antonio Cássio dos Santos, afirmou que considerou barato preço de R$ 225,828 milhões pago por 51% das ações ordinárias da Nossa Caixa Seguros e Previdência. Segundo o executivo, o potencial de vendas trazido pelo balcão do banco estatal é bem superior ao valor da compra. A Nossa Caixa possui 4,5 milhões de clientes - entre correntistas e aplicadores de poupança - e uma rede de distribuição que conta 505 e agências, 386 terminais eletrônicos e 770 correspondentes bancários. Ele não revelou o prazo em que espera apurar o retorno com a compra e nem quanto será investido na operação. "Vamos capitalizar a empresa no que for preciso". O presidente da Mapfre ressaltou que a companhia de seguros já montou uma parceria com a Caja de Madrid - banco espanhol semelhante à Nossa Caixa -, o que facilita a operacionalização da nova empresa. Atualmente, o grupo Mapfre possui ativos avaliados em R$ 30 bilhões e está presente em 39 países. A marca dos produtos, segundo o executivo, ainda será definida entre os conselhos de administração das duas empresas, assim como outros detalhes da operação. Valor recebido Segundo o secretário de Fazenda de São Paulo, Eduardo Guardia, um terço do capital arrecadado com a venda Nossa Caixa Seguros e Previdência será direcionado ao governo estadual, enquanto o restante será reinvestido no banco. Ele ressaltou que o governo não tem planos específicos para utilização do capital. "O dinheiro será utilizado para complementar os investimentos realizados pelo governo, que somam R$ 5 bilhões. A expectativa do receita com alienação de bens e dividendos no orçamento de 2005 é de R$ 850 milhões".

Agencia Estado,

24 Maio 2005 | 16h22

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.