Ueslei Marcelino/Reuters
Ueslei Marcelino/Reuters
Imagem Adriana Fernandes
Colunista
Adriana Fernandes
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Maquiadores profissionais marcaram presença na votação do Orçamento

Num governo pressionado pelo desastre da pandemia, emendas garantem apoio

Adriana Fernandes, O Estado de S.Paulo

27 de março de 2021 | 04h00

Num dia, o aviso do presidente da Câmara, Arthur Lira, ao presidente Jair Bolsonaro de que remédios políticos amargos e fatais poderiam ser adotados pelo Parlamento em resposta a mais erros do governo no enfrentamento da covid-19, que não serão tolerados. 

No dia seguinte, a farra das emendas parlamentares na mais vexatória votação do Orçamento dos últimos anos, com uso farto de maquiagem contábil.

Engana-se quem acha que a dura fala de Lira na véspera da votação do Orçamento nada tem a ver com o que aconteceria no dia seguinte. 

No exato momento em que Lira fazia o seu discurso, interpretado por muitos como uma ameaça velada de impeachment do presidente Bolsonaro, o Congresso, mais particularmente o Centrão, fervia na briga de última hora para o relator, senador Márcio Bittar, incluir mais emendas num Orçamento já cheio de prioridades invertidas como esta coluna vem apontando há meses.

Emendas pipocaram no dia da votação bem além dos R$ 16 bilhões já acordados entre Palácio do Planalto, Lira e o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, para passar a PEC do auxílio.

Num governo pressionado pelo desastre da pandemia e falta de vacinas, com risco de responsabilização pelas mortes, emendas e cargos garantem apoio. Essa é a melhor e mais certeira sequência da fala de Lira.

Emendas, agora, já têm em abundância. Cargos e comando das decisões da Esplanada são para já. Eduardo Pazuello já se foi. Ernesto Araújo está indo. Ricardo Salles na mira para o depois. Paulo Guedes na fogueira eterna do fogo amigo e pressionado a abrir o cofre.

O Palácio do Planalto nada fez para frear o que é, para muitos, a antessala do fim do teto de gastos, a regra que prometia servir de gatilho para o Congresso definir no Orçamento as prioridades do que mais precisa.

Se o teto não morreu, a votação do Orçamento de 2021 mostrou que a estratégia (bem-sucedida) é desviar dele. Melhor imagem não há do que a fotografia postada pela conta debochada “Faria Lima Elevator”, no Twitter, sobre o teto de gastos no Brasil: uma porteira fechada com a placa “por favor, portão fechado” e, nas laterais, ausência de cercas e espaço aberto para passagem.

Melhor seria se tivessem feito isso com propósitos mais nobres voltados para a pandemia, como ampliar a transferência de renda aos mais pobres. Melhor política para hoje. Parece que a aposta é apertar demais as despesas discricionárias (como são chamados os gastos de investimento e custeio da máquina que o governo tem liberdade para passar a tesoura) e depois contar na pressão para aprovar crédito extraordinário.

Foi na cara de pau que o Congresso cortou despesas obrigatórias da Previdência, seguro-desemprego e subsídio para agricultura familiar. O Congresso é o dono do Orçamento. Se ele fizer bagunça, ficará muito difícil ele tentar consertar.

Lira se irritou com negociações paralelas além do acordo. Mas ele e Rodrigo Pacheco tocaram o barco desgovernado. E os dados da equipe econômica, enviados ao Congresso, foram ignorados.

Surreal foi o líder do governo no Congresso, Eduardo Gomes, dizer no plenário, na hora da votação, que uma solução alternativa para o corte do Censo do IBGE – uma medida com consequências irreparáveis – seria resolvida depois.

Mas como? Não era justamente ali o local para a solução? Estrategicamente, como tudo que tem sido votado no Congresso na pandemia, os pareceres finais são apresentados a poucas horas da votação. É tratoraço legislativo no mais alto grau. 

Paulo Guedes foi se queixar ao presidente Bolsonaro e dizer que o Orçamento é inexequível, mas não há perspectiva de veto. A solução do impasse terá de passar pelo Congresso. Mais um problema enquanto a pandemia fica à base de reuniões de comitês que nada resolvem.

O ministro Rogério Marinho e os articuladores políticos, que trabalharam pelas emendas, acabaram colocando o governo em maus lençóis, dado que, para viabilizar o que eles querem, tiveram de colocar várias variantes de pedaladas contábeis.

Difícil mesmo será tirarem o doce da boca das crianças. No caso, os senhores senadores e deputados.

* É REPÓRTER ESPECIAL DE ECONOMIA EM BRASÍLIA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.