Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
CELIO MESSIAS/ESTADÃO - 06/05/2021
CELIO MESSIAS/ESTADÃO - 06/05/2021

Máquinas agrícolas usadas viram alternativa para produtores rurais

Para driblar a falta de produtos nas revendas, agricultores recorrem até a empresas de leilão

Fernanda Guimarães, O Estado de S. Paulo

16 de maio de 2021 | 05h00

Sem expectativa de regularização na produção de equipamentos, os produtores rurais estão se adaptando. Everton Mialich, que produz cana-de-açúcar em Catanduva (SP), por exemplo, recorreu à compra de uma colheitadeira usada, depois de observar os preços da máquina subirem cerca de 50% em um ano e com os prazos de entrega chegando a seis meses – tempo que não poderia esperar. “A entrega está demorando muito; se eu esperasse, perdia a colheita”, explica.

Pela colheitadeira – que pode custar cerca de R$ 1 milhão se for nova –, ele desembolsou R$ 45 mil em uma plataforma de leilões. A procura no site cresceu no último ano puxada não só por agricultores, mas também empresários de diversos setores industriais, que tentam driblar a escassez de maquinário e longos prazos de entrega.

Para realizar os eventuais reparos necessários nas máquinas e veículos, o agricultor conta que tem uma oficina dentro de seu sítio, onde ele mesmo consegue fazer os consertos. Mialich, depois da primeira experiência, quer dar mais um passo. “Gostei do leilão. Agora, estou namorando um caminhão”, afirma. Ele chegou a participar de um leilão para tentar adquirir o veículo, mas achou que o preço não era vantajoso. “Saiu pelo valor de mercado, aí já não compensa. Dependendo da quantia que você tem para gastar com uma manutenção, se torna caro.”

Demanda em alta

Segundo Jacqueline Luz, diretora comercial da MaisAtivo, empresa de intermediação do Grupo Superbid, uma plataforma online de leilões, o mercado está muito propenso às máquinas usadas. Isso porque a indústria está desabastecida, o que leva a uma valorização dos produtos de segunda mão. Os produtores de menor porte, segundo ela, fazem os reparos necessários nos equipamentos comprados e os recolocam na ativa.

Segundo ela, a participação do agronegócio na plataforma vem crescendo. Por lá, 35% do total de lotes vendidos no marketplace do Grupo Superbid já são relacionados ao mercado agro. Equipamentos e máquinas representaram 22% do faturamento em 2020, ampliando participação sobre os 18% em 2019. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.