Fabio Motta/Estadão
Fabio Motta/Estadão

'Marca Brasil' sofre com política

País perdeu três posições e agora é o 23.º em pesquisa que avalia as ‘marcas’ de 50 nações

Jamil Chade, correspondente, O Estado de S.Paulo

08 Dezembro 2016 | 05h00

GENEBRA - Foi no ano de 2016 que o Brasil entrou para a história como o primeiro sul-americano a sediar o Jogos Olímpicos. No entanto, essa distinção, que seria o auge de uma década de preparação para colocar o País numa vitrine para o mundo, acabou não gerando o resultado esperado. Diante de uma grave crise institucional e econômica sem precedentes, a “marca” Brasil foi seriamente afetada no cenário internacional.

Um estudo realizado pela consultoria GfK apontou que o Brasil sofreu a maior queda no ranking internacional de marcas, caindo da 20.ª posição para a 23.ª, entre 50 países avaliados, na virada de 2015 para 2016. Com o resultado, a marca Brasil chegou a ser superada até mesmo pela Rússia, país em clara tensão com o Ocidente e ainda sofrendo com embargos internacionais diante da crise ucraniana.

Apesar do resultado geral ruim, a avaliação apontou para resultados positivos em pontos específicos. No que se refere somente à cultura, o Brasil teria a 11.ª marca mais admirada no exterior. No entanto, quando o assunto é governança, a avaliação é das mais negativas. Nessa classificação, o Brasil caiu da 26.ª posição, em 2015, para a 31.ª colocação, neste ano.

Em outros quesitos, o Brasil ficou em uma posição intermediária, com a 21.ª colocação no que se refere à imagem de seu povo e 18.º lugar no quesito turismo. No que se refere aos investimentos, o País aparece apenas na 29.ª posição entre as 50 nações pesquisadas pela consultoria GfK.

Líderes. No topo do ranking dos países com a marca mais forte no cenário internacional aparecem os Estados Unidos. Alemanha e Reino Unido completam o “pódio” do levantamento. Os Estados Unidos recuperaram a liderança do ranking de marcas de países no ano passado, depois de perder a posição para a Alemanha em 2014.

Mas, mesmo para os principais países do ranking, a pontuação também caiu. Para os autores do ranking, as constatações de 2016 mostram mudanças importantes na forma pela qual as pessoas avaliam a reputação de um país.

Nas dez principais posições do ranking aparecem normalmente nações desenvolvidas, em especial países europeus.

“Normalmente, a percepção global sobre países é estável. Mas mudanças podem ocorrer”, disse Simon Anholt, criador do índice de marcas nacionais e autor de diversos livros sobre o assunto. “É seu impacto no mundo que molda sua reputação, muito mais que suas conquistas, e é isso que estamos vendo agora”, explicou. “Os países que eram vistos como os mais influentes do mundo estão sofrendo diante da persistência da crise internacional e conflitos”, disse.

Para montar seu ranking, a GfK realizou mais de 20 mil entrevistas pelo mundo. “Nosso estudo mostra como cada nação está posicionada em termos de sua imagem atual e potencial”, disse Vadim Volos, vice-presidente da GfK.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.