coluna

Louise Barsi explica como viver de dividendos seguindo o Jeito Barsi de investir

Marca da área regional Trip será eliminada após a fusão com Azul

Aviões recebidos a partir de setembro já terão a marca Azul; transição total só será realizada após o aval do Cade

MARINA GAZZONI, O Estado de S.Paulo

31 de agosto de 2012 | 03h13

A marca Trip vai acabar e as aeronaves da empresa serão pintadas com o logotipo da Azul. O anúncio foi feito ontem pelo próprio presidente da Trip, José Mario Caprioli, que fundou a companhia em 1998 e está comandando o processo de integração das empresas aéreas, que anunciaram a fusão em 28 de maio. A próxima aeronave recebida pela Trip, com entrega prevista para setembro, já começará a voar com a marca Azul.

A extinção da marca Trip só ocorrerá após a aprovação da fusão pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) e pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). No entanto, as novas aeronaves recebidas a partir do mês que vem pelas duas empresas já usarão o novo logotipo. "A pintura da aeronave é reversível. O que não podemos fazer é tomar decisões irreversíveis antes da aprovação do Cade", explicou Caprioli.

A escolha da marca Azul para batizar a empresa que nasce da fusão de Azul e Trip foi feita com base em critérios técnicos, e não emocionais, disseram o presidente da Trip e o diretor de marca da Azul, Gianfranco Beting. Segundo eles, pesquisas apontaram que o nome Azul é mais forte em mercados mais maduros, como o Estado de São Paulo, onde o investimento em marketing é mais caro.

Após a aprovação do Cade, a Azul começará a pintar as aeronaves da Trip com um novo logotipo. A identidade visual da Azul foi refeita para adotar elementos da Trip - a letra "u" de Azul usará uma cor mais clara para relembrar o logotipo da Trip, que vem com a letra "i" de Trip em azul mais claro. "Foi a maneira que encontramos para incorporar os 14 anos de história da Trip na nova marca", disse Beting.

A estimativa do presidente da Trip é que a pintura das 58 aeronaves da frota atual da empresa leve até 20 meses. O processo será realizado durante o período de manutenção dos aviões.

Integração. A adoção de uma marca única é mais um passo para a integração entre as companhias aéreas Azul e Trip. As empresas conseguiram no último dia 20 a autorização da Anac para realizar code share (compartilhamento de voos), procedimento que permitirá que a Azul venda passagens da Trip.

Mesmo com o aval da agência reguladora, a Azul precisa pedir autorização para operar cada uma das rotas da Trip que serão compartilhadas, o que vem sendo feito desde então. A meta da empresa é começar o code share entre 20 e 30 de outubro com a operação completa, ou seja, colocando os 430 voos diários da Trip nos canais de vendas da Azul. Com isso, a nova empresa oferecerá um total de 840 voos diários para 99 aeroportos.

Outro passo para a integração das empresas será a padronização da frota, que soma atualmente 114 unidades. As aeronaves mais antigas da Trip, que incluem nove jatos Embraer 175 e sete turboélices ATR 42, serão substituídas até o primeiro semestre de 2013 por modelos mais novos (Embraer 195 e ATR 72), que também são usados na frota da Azul.

A estimativa de Caprioli é que, até o fim do ano, Azul e Trip consigam o aval do Cade para unir as operações. "O nosso desejo é oferecer aos passageiros uma experiência unificada de voo nas empresas até o fim do ano", disse.

Isso passará pela padronização de todos os processos, como o serviço de bordo, o uniforme das aeromoças e o atendimento em balcões de check-in. Mas, ontem, os comissários das duas empresas adotaram seu primeiro procedimento comum: colocaram em seus uniformes um botton que informa ao passageiro que Azul e Trip agora são uma só.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.