Reprodução/hm.com
Reprodução/hm.com

Marca sueca retira de site foto publicitária considerada racista

A empresa de moda Hennes et Mauritz (H&M) tinha colocado no seu site uma foto de um menino negro vestido com um casado de moletom em que se lia "O macaco mais legal da selva"

O Estado de S.Paulo

09 Janeiro 2018 | 14h51

A empresa de moda Hennes et Mauritz (H&M) anunciou nesta segunda-feira, 8, a retirada de uma foto publicitária que lhe rendeu acusações de racismo nas redes sociais e pediu desculpas.

A foto mostra um menino negro com um casaco de moletom em que se lê "Coolest monkey in the jungle" (O macaco mais legal da selva).

"Quem teve a ideia na H&M de pôr este doce menino negro com um moletom que diz 'O macaco mais legal da selva'?", indignou-se a modelo Stephanie Yeboah no domingo no Twitter. "É repugnante...", acrescentou.

"A imagem foi eliminada de todos os canais da H&M", assegurou uma porta-voz da marca à AFP. A foto da peça de roupa sozinha ainda pode ser vista na loja on-line.

"Pedimos desculpas aos que puderam se sentir ofendidos", acrescentou o grupo.

Não é a primeira vez que uma grande marca se encontra nesta situação.

Em 2014, a marca de roupa espanhola Zara teve que retirar do mercado uma camiseta infantil de listras com uma estrela amarela bordada que gerou polêmica por sua semelhança com os uniformes dos judeus nos campos de concentração nazistas.

Em outubro passado, a marca de perfumaria e cosmética Dove se desculpou por uma publicidade que também foi considerada racista. O anúncio mostrava uma mulher negra que ao tirar a camiseta se transformava em uma mulher branca e ruiva./AFP

Mais conteúdo sobre:
H&M racismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.