Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Marcas próprias já respondem por 5,6% das vendas

As marcas próprias já respondem por 5,6% do volume de vendas do varejo no Brasil, segundo estudo referente a 2003 divulgado há pouco na 37ª Expoabras pela AC Nielsen. A participação no ano passado oscilou entre 4% e 5% mas, segundo o gerente de contas da Nielsen, Olegário Araújo, a mudança de metodologia no estudo não permite uma comparação com o resultado da fatia das marcas próprias do levantamento do ano passado.Ele explicou que, apesar da dificuldade comparativa, é possível afirmar que houve um crescimento das marcas próprias no varejo brasileiro nos sete primeiros meses deste ano, já que o número de itens disponíveis nas lojas cresceu 33% ante o ano anterior, ou 63% se incluída a expansão do setor têxtil, que aumentou sozinho em 117% o volume de itens com essa característica."A participação das marcas próprias no Brasil está abaixo dos números apresentados na Argentina, Estados Unidos e Europa, o que sinaliza espaço para crescimento", disse Araújo. Segundo o estudo, em países europeus a fatia das marcas próprias no volume de vendas chega a no mínimo 13% (Itália), podendo alcançar 40,8% (Reino Unido). Nos Estados Unidos a contribuição é de 19,8% sobre o total de vendas e, na Argentina, atinge 8,5%.Os dados do 9º Estudo Anual sobre Marcas Próprias do Varejo da AC Nielsen revelou que no Brasil o número de organizações varejistas que oferecem produtos com essa característica subiu de 32 em 1997 para 133 neste ano. Segundo o conceito do estudo, marca própria é um produto vendido exclusivamente pela organização varejista, que detém o controle da marca, que pode levar ou não o nome da empresa.

Agencia Estado,

16 de setembro de 2003 | 14h23

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.