ADRIANO MACHADO/REUTERS
ADRIANO MACHADO/REUTERS

Marcelo Queiroga diz ter garantia de Guedes de que não faltará recurso para a saúde

Ministério da Saúde também foi afetado com cortes de R$ 2,2 bilhões no Orçamento

Camila Turtelli, O Estado de S.Paulo

24 de abril de 2021 | 19h53

BRASÍLIA – Também alvo dos cortes orçamentários, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, disse neste sábado, 24, ter a garantia do chefe da Economia, Paulo Guedes, de que não vai faltar recursos para a área responsável pelo combate à pandemia da covid-19 no País. “Sempre temos um bom diálogo com Guedes, que me assegurou que não faltaria recurso para a saúde”, disse o ministro, em entrevista coletiva.

Na sequência, o secretário executivo do Ministério da Saúde, Rodrigo Cruz, afirmou que, na eventual necessidade de ampliação do Orçamento da pasta, a suplementação será feita via abertura de crédito extraordinário. Mas não disse de onde o governo poderá buscar o recurso, caso precise.

Para sancionar o Orçamento de 2021, o presidente Jair Bolsonaro fez um ajuste de R$ 29 bilhões de duas formas: vetou parte de emendas parlamentares e verbas dos ministérios (R$ 19,8 bilhões) e bloqueou uma parcela das despesas previstas para este ano em vários órgãos federais (R$ 9,3 bilhões).

Mesmo em meio à pandemia, foram vetados R$ 2,2 bilhões do Ministério da Saúde. Os vetos a despesas da Saúde foram repartidos em diversos programas, que incluem a adequação de sistemas tecnológicos, ações de pesquisa e desenvolvimento, manutenção de serviços laboratoriais, assistência farmacêutica e até construções de sedes regionais da Fiocruz.

Na entrevista, Queiroga foi questionado sobre a fala do presidente Bolsonaro, feita na sexta-feira, 23, em que ameaçou acionar as Forças Armadas contra medidas de restrição estabelecidas por governadores, durante entrevista concedida à TV A Crítica, no Amazonas.

“Se nós usarmos as medidas não farmacológicas, nunca vamos chegar ao lockdown, isso é fruto do fracasso dessas medidas e é nesse sentido que o presidente se manifesta”, disse Queiroga. O ministro se referia ao uso de máscaras e respeito ao distanciamento social, medidas preventivas recomendadas para evitar a contaminação pela covid-19. Apesar da defesa feita pelo ministro, neste sábado mesmo, pela manhã, o presidente Jair Bolsonaro visitou comunidades em Brasília, sem usar a proteção facial, causando aglomeração por onde passou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.