Marcha contra a crise reúne 2 mil pessoas em São Paulo

Manifestação faz parte do Dia Internacional Contra a Crise, organizado por sindicatos e movimentos sociais

Carolina Ruhman, da Agência Estado,

30 de março de 2009 | 13h10

Cerca de 2 mil manifestantes participam nesta segunda-feira, 30, de uma passeata na Avenida Paulista, em São Paulo, segundo cálculos da Polícia Militar. A manifestação faz parte dos atos do Dia Internacional Contra a Crise, realizado pelas centrais sindicais, movimentos sociais e estudantes. Já a organização do evento estima que 7 mil pessoas participam da marcha coletiva em defesa do emprego e da queda dos juros.

 

                                                                                                      José Luis da Conceição/AE

 

Veja também:

linkGoverno reduz imposto sobre moto e prorroga IPI menor

especialDe olho nos sintomas da crise econômica 

especialDicionário da crise 

especialLições de 29

especialComo o mundo reage à crise 

 

A manifestação começou às 10 horas na frente do prédio da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp). Por volta das 13 horas, de acordo com a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), os manifestantes estavam na altura do cruzamento do a Alameda Ministro Rocha Azevedo, no sentido Consolação.

 

Eles ocupavam duas faixas da Paulista e causavam trânsito da Rua Pamplona até a Praça Osvaldo Cruz, assim como nas vias de acesso. A marcha irá até o centro da capital paulista e terminará na frente do edifício da Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa).

 

A organização da caminhada disse acreditar que o ato deve terminar por volta das 14h30. Outros atos acontecem simultaneamente. Segundo a Coordenação Nacional de Lutas (Conlutas), cerca de 2 mil trabalhadores da General Motors (GM) de São José dos Campos, no Vale do Paraíba (SP), fizeram uma manifestação na cidade, percorrendo em torno de dois quilômetros.

 

O Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) organizou quatro ações simultâneas no Estado, com os bloqueios da Avenida Francisco Morato, Estrada do Campo Limpo e Rodovia Anhanguera, na capital.

Tudo o que sabemos sobre:
Crise FinanceiraProtesto

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.