Marco do saneamento vai turbinar gestão de resíduos

carteira

As ações mais recomendadas para dezembro, segundo 10 corretoras

Conteúdo Patrocinado

Marco do saneamento vai turbinar gestão de resíduos

Conjunto de leis foi aprovado no Congresso durante a pandemia

Estre Ambiental, Media Lab Estadão
Conteúdo de responsabilidade do anunciante

11 de novembro de 2020 | 12h13

Agora em 2020, durante uma pandemia, o Congresso Nacional aprovou o Marco Nacional do Saneamento Básico, conjunto de regras importantes para destravar o setor e atrair mais investimentos privados, como já vem ocorrendo nos últimos meses. Há dez anos, processo semelhante havia ocorrido com a Política Nacional de Resíduos Sólidos, que também trouxe muitas expectativas positivas ao setor privado. Uma década depois,  entretanto, os desafios ainda são enormes, e existe o risco de, no futuro, o mesmo ocorrer com o conjunto de novas regras do saneamento recém-promulgadas.

Pelas regras aprovadas neste ano, o setor de resíduos sólidos também será beneficiado, porque os municípios serão obrigados a colocar em operação instrumentos financeiros, como cobrança de taxas, para destinar corretamente o lixo. “É muito importante isso, porque a lei obriga o gestor a dar uma solução, e não mais apenas empurrar com a barriga. Temos agora ferramentas muito importantes para serem usadas”, diz Julio Volotão, CEO da Estre Ambiental, empresa privada que faz a triagem mecanizada de resíduos sólidos antes de serem depositados nos aterros sanitários.

Segundo ele, entretanto, todos precisam ficar atentos para que a implementação das normas ocorra. “Nós precisamos de um reforço por parte dos agentes públicos para que tanto a Lei de Resíduos Sólidos quanto o Marco do Saneamento tornem-se efetivos”, diz Volotão. De acordo com o executivo, o exemplo envolvendo o fim dos lixões é emblemático. “Quando a lei estabelece uma data limite para finalizar os lixões, essa data deve ser respeitada, e não adiada, como ocorreu”, afirma.

766E3C01-53A8-483E-9B06-CCE0C7108013
O caminho para todo o setor, do ponto de vista prático, é o  desenvolvimento de alternativas cada vez mais sustentáveis
E0EAB005-9061-4B3D-86B9-AEB61693E313
defende Volotão.

“Temos que, primeiro, incrementar a educação ambiental, porque uma parcela grande de responsabilidade na questão dos resíduos sólidos é da população. É o elo em que o consumo se torna resíduo. É preciso uma estrutura de comunicação de larga escala para resolver isso.”

Outra parte do problema deve ser enfrentada em nível municipal, segundo o CEO da Estre Ambiental. “O município é que precisa criar uma estrutura de serviços de valorização dos resíduos, passando por coleta seletiva, recepção e destinação correta.” Sem essa dinâmica, explica Volotão, a tendência é ocorrer o que o setor se acostumou a presenciar. “A coleta seletiva passava na porta das pessoas, mas já no caminhão os resíduos se misturavam e eram destinados aos aterros de forma   indiscriminada. Isso faz com que qualquer programa caia em descrédito.”

O conjunto de ações para que tanto a jovem Política Nacional de Resíduos Sólidos quanto o recém-nascido Marco do Saneamento sejam  implementados também envolve o setor industrial, na análise do executivo. “O papel da indústria é importante no sentido de avançar nos acordos setoriais para que a logística reversa se torne uma prática viável.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.