Marcos Lisboa defende política monetária

A política monetária que tem resultado em altas consecutivas da taxa básica de juros (Selic) foi defendida na noite de ontem com ênfase pelo secretário de política econômica do Ministério da Fazenda, Marcos Lisboa. "A política monetária foi um instrumento extremamente importante para viabilizar o forte crescimento do ano passado", disse ele um dia após o anúncio de nova alta de juros pelo Banco Central, em entrevista após palestra em evento no Rio. Questionado sobre a possibilidade de os juros desestimularem investimentos, Lisboa disse que "o objetivo da política monetária é colaborar para que a economia brasileira tenha um crescimento sustentado o maior possível por um longo prazo. Eles tem sido extremamente eficazes nisso, basta olhar os números recentes da economia brasileira". Antes, em palestra, Lisboa havia defendido também a política tributária do governo, "que no ano passado foi menor do que em 2003 e não superior a 2002" e disse que foram tomadas, em 2004, pelo menos 21 medidas para redução de tributos que terão impacto a partir de agora. O ex-presidente do Banco Central, Arminio Fraga, que também participou do evento, não concedeu entrevista, mas em debate com universitários ressaltou que o governo antigo (Fernando Henrique Cardoso) e o atual "apesar de estilos diferentes, têm praticamente os mesmos objetivos". Ele fez a afirmação ao ressaltar, sobre as desigualdades sociais: "Estamos vendo hoje no Brasil os últimos suspiros de um povo jurássico que luta para não perder seus privilégios, mas está perdendo, e isso faz parte do governo que saiu e do atual".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.