R$ 1,57 bi

E-Investidor: Tesouro Direto atrai mais jovens e bate recorde de captação

Marcos Lisboa explica a agenda de desenvolvimento

Aumento do crédito, através da redução dos spreads bancários, incentivar a formalização, através da desoneração de parte da folha salarial, criar marcos regulatórios confiáveis para incentivar os investimentos privados, apressar a votação da Lei de Falências e eliminar os entraves burocráticos para a abertura e fechamento de empresas, são alguns dos pontos que figuram na agenda de desenvolvimento que está sendo preparada pelo governo, conforme explicou o economista Marcos Lisboa, secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda, em entrevista ao programa Espaço Aberto, da Globo News. Estão também envolvidos no projeto outros ministérios, como o do Trabalho, da Previdência, do Desenvolvimento, Indústria e Comércio e da Justiça. "A cara geral dessa agenda, é melhorar o ambiente de negócios e estimular os investimentos", disse Lisboa, citando que um dos setores mais em vista pelo governo é a construção civil, com a introdução de eficientes mecanismos de crédito para a aquisição da casa própria, a exemplo do que vem sendo feito com empréstimos a trabalhadores, cujas prestações são descontadas no hollerith salarial.Segundo Lisboa, o importante não é saber o quanto o PIB brasileiro vai crescer este ano, mas também nos próximos. Para ele, uma taxa anual de 2,5% na próxima década é um número perfeitamente alcançável, o que significaria que o País estará tendo um crescimento sustentável.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.