Marfim que iria para a China é triturado e incinerado em Hong Kong

Numa tentativa de conter o comércio ilegal de presas de elefante que valem R$ 2,4 mil o quilo no mercado chinês, autoridades destroem quase 30 toneladas apreendidas nos últimos anos

16 de maio de 2014 | 12h32

HONG KONG - Um dos maiores centros mundiais de comércio de marfim começou a triturar e incinerar 28 toneladas de presas de elefantes apreendidas nos últimos anos.

O objetivo do governo de Hong Kong é impedir que o marfim confiscado volte ao mercado e também impedir a entrada de novas peças.

A ex-colônia britânica foi usada historicamente como base de transbordo para o marfim que sai da África com destino à China continental, onde a demanda vem crescendo por causa do aumento da renda.

O marfim pode alcançar o preço de US$ 2,4 mil o quilo na China, segundo o fundo internacional para defesa de animais. A consequência seria a morte de cerca de 35 mil elefantes por ano, o que ameaça provocar a sua extinção da natureza.

As presas são trituradas antes da incineração, pois se forem simplesmente queimadas apenas a superfície é destruída, possibilitando que uma boa parte volte ao comércio ilegal.

Repressão. A destruição e incineração de todo o estoque confiscado é uma tentativa de demonstrar que o governo vai levar a sério a repressão ao comércio ilegal de animais silvestres que ameaça a população de elefantes da África.

 

O primeiro lote destruído foi de uma tonelada de presas de elefante e marfim esculpido em objetos e acessórios.

 

As cinzas resultantes da incineração serão misturado com cimento e cal e despejadas em um aterro sanitário. Cerca de 1,6 toneladas de marfim serão mantidos para fins educativos ou científicos.

 

No ano passado, outros países como a Bélgica, França, China, Estados Unidos e Filipinas adotaram iniciativas semelhantes.

 

Os estoque de Hong Kong aumentaram com a ação de agentes aduaneiros que interceptaram uma série de grandes carregamentos contrabandeados nos últimos anos.

Tudo o que sabemos sobre:
MarfimElefantes

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.